ago 062011
 

A Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), decidiu abrir inscrições para um curso de extensão: “História & Arte, Filosofia & Literatura: o maravilhoso universo da Idade Média”. O curso, de seis meses, terá início em abril.

Catedral de Colônia (Alemanha)

Catedral de Colônia (Alemanha)

Segundo seu coordenador, o professor da UFES e membro da Associação Brasileira de Estudos Medievais, Ricardo da Costa, o objetivo deste é desmistificar a imagem negativa que a Idade Média carrega. “Foi um período de guerras e pestes, mas também de muita coisa boa. A universidade, por exemplo, foi criada na era medieval”, afirma ele. “Música, literatura, poesia e pintura também foram muito expressivas nessa época da História. Isso tudo será abordado no curso”, acrescenta. (A Gazeta, Vitória – ES)

jun 072011
 

Introdução ao latim

Durante séculos o latim foi o idioma do mundo. Originário de um povo residente no Lácio, uma província da atual Itália, remonta-se sua origem ao século V ou VI antes de Cristo.

O primeiro escrito em latim data do século III antes de Cristo. Foi achado em uma pedra negra do fórum romano.

roman-forum-foro-romano-rome-italy

Ruínas do Fórum Romano

Com a conquista do Lácio pelos romanos esta língua de um povo subjugado passou a ser adotada pelos conquistadores. A expansão do Império consequentemente difundiu o latim por quase toda Europa, norte da África e parte do Oriente Médio. O grego permaneceu no oriente e o latim penetrou com mais profundidade no ocidente.

Após a queda do Império dos Césares e as províncias romanas cederem lugar aos reinos germânicos, o latim foi mantido como língua da cultura. Os mosteiros cultivavam o idioma de Cícero não somente nos ofícios litúrgicos, mas também na transmissão das ciências humanas. Durante toda a Idade Média e grande parte da época moderna, o latim foi usado como língua dos professores universitários. Os grandes pensadores escreviam tratados de medicina, física, teologia e direito em latim.

Com o advento da modernidade, especialmente com a consolidação dos movimentos nacionalistas, todos os povos ocidentais passaram a adotar a língua nacional para o magistério e administração estatal. Dir-se-ia que o latim entraria para o inglório ocaso de sua longa História. No entanto, o latim resistiu nas cátedras universitárias e permaneceu como língua oficial da Hungria até o século XIX.

No século XX o latim perdeu muito de seu antigo prestígio, mas ainda é objeto de interesse e possui grande influência em nossa cultura. Hoje, o latim não se restringe a ser apenas a língua oficial do pequeno estado do Vaticano, mas seu alfabeto é usado por mais da metade da população mundial. Não há continente que não possua países que usem uma língua românica – especialmente espanhol, português e francês – como idioma oficial ou cultural. O idioma é considerado por muitos autores como a principal fonte linguística da cultura ocidental.

Em muitos países o latim faz parte da grade curricular básica. Em alguns países europeus tem-se pelo menos dois anos de latim. Na Alemanha cerca de 15% dos estudantes aprendem latim, e, em certas regiões, 50% da população possui bons conhecimentos de gramática.

Também a Internet é um lugar propício para a difusão do latim. Finlandeses, alemães, italianos, norte-americanos, chilenos e poloneses procuram ainda hoje conservar o latim como língua viva. O Praecones latine é uma entre as diversas iniciativas brasileiras na rede mundial em prol da cultura latina.

Latim e as línguas românicas

O conjunto das línguas é considerado pelos filólogos como uma grande família. As semelhanças fonéticas das línguas entre si determinam como que “graus de parentesco”. Quando se analisa o português, o espanhol, o italiano e o francês, nota-se uma semelhança entre certas palavras destes idiomas.

Português

Espanhol

Italiano

Latim

Francês

Porta

Puerta

Porta

Porta

Porte

Na palavra “porta”, por exemplo, existe pouca variação entre estes idiomas. Se compararmos outras palavras destas línguas com o português e com o latim verificaríamos que isto aconteceria em milhares de casos.

Esta semelhança origina-se, como vimos, com as conquistas do Império Romano, mas e as diferenças? Estas por sua vez provêm do fato de que com a expansão do Império Romano, o latim começou a ser influenciado não somente pelo vocabulário dos povos conquistados, mas sobretudo pela fonética destas línguas. Os ditongos, as vogais e as consoantes começaram a não ser mais pronunciados conforme a pronúncia itálica. Assim o latim foi transformando-se paulatinamente nas línguas românicas ou romances, ou seja, os idiomas modernos derivantes do latim. O radical da palavra permanece o mesmo com alterações fonéticas que posteriormente passaram à escrita. Certas vezes esta semelhança se dá inclusive com o inglês e o alemão, os quais receberam grande influência do francês.

Português

Espanhol

Italiano

Latim

Francês

Inglês

Alemão

Espelho

espejo

specchio

speculum

Miroir

Mirror

Spiegel

Água

agua

acqua

aqua

Eau

Water

Wasser

Dente

diente

dente

dens

Dent

Tooth

Zanh

Cabelo

pelo

capelli

capillus

Cheveux

Hair

Haare

Mesa

(tábua)

mesa

tavola

Mensa

Mesa

tabula

Table

Table

Tisch

Pio

pío

Pio

pius

Pieux

Pious

Fromm

Vaso

Vaso

vaso

Vas

Vase

Vase

Vase

Do latim ao português

A princípio, o que existia era simplesmente o latim. Posteriormente o latim foi se estilizando transformando-se num instrumento literário. Passa ele então a apresentar duas formas que tenderam a se polarizar: o latim clássico e o vulgar.

Verifica-se também que muitas vezes certas palavras portuguesas derivaram do latim vulgar na forma acusativa:

Radical na forma acusativa do latim clássico

Latim vulgar

Português

Mulíere

muliére

Mulher

paríete

pariéte

Parede

ascíola

Ascióla

Enxó

lintéolu

linteólu

Lençol

Além disso, muitas vezes o português erudito é idêntico ao latim. Vejamos a comparação entre as formas portuguesas (popular e erudita) e o latim no quadro abaixo:

Português

Radical Latino na forma acusativa

Forma popular

Forma Erudita

Afeição

Afecção

Affectione

Alhear

alienar

Alienare

Alento

Anélito

Anhelitu

Anho

amplo

Amplu

Aveia

avena

Avena

Areia

anera

Arena

Adro

átrio

Atriu

Anjo

ângelo

Angelu

Aprender

apreender

Apprehendere

Auto

ato

Actu

Besta

balista

Balista

Bento

Benedito

Benedictu

Bicha

besta

Bestia

Cabido

capítulo

Capitulu

Caldo

cálido

Calidu

Catar

captar

Captare

Cardeal

cardinal

Cardinale

Chamar

clamar

Clamare

Chave

clave

Clave

Chama

flama

Flamma

Chaga

praga

Plaga

Feira

féria

Feria

Frio

frígido

Frigidu

Lagoa

lacuna

Lacuna

Ladainha

litania

Litania

Leal

legal

Legale

Olho

óculo

Oculu

Puir

polir

Polire

Pai

padre

Patre

Praia

plaga

Plaga

Ruído

rugido

Rugidu

Selo

sigilo

Sigillu

Selva

silva

Silva

Vigia

vigília

Vigilia

No próximo post veremos a continuação da introdução ao latim com uma explicação sobre a pronúncia e o alfabeto latino.Também será oferecido ao leitor um mapa com os estados e capitais do Brasil em língua latina.

Maio 072011
 

Movidos por la belleza y precisión de la lengua latina, algunos estudiantes y seminaristas del Instituto Teológico Santo Tomás de Aquino (ITTA) de los Heraldos del Evangelio, localizado en San Pablo, realizaron una iniciativa inédita en Brasil: un site escrito en latín.

Durante siglos el latín fue el idioma del mundo. Originaria de un pueblo residente en el Lacio, una provincia Italiana, la lengua de un pueblo subyugado pasó a ser adoptada por los conquistadores romanos. El Imperio Romano, y consecuentemente el latín, se difundió por casi toda Europa, norte de África y parte de Oriente Medio.

MAC-Praecones-Latine-300x169.jpgDespués de la caída del Imperio de los Césares y las provincias romanas ceder lugar a los reinos germánicos, el latín fue mantenido como lengua de la cultura. Los monasterios cultivaban el idioma de Cicerón no solamente en los oficios litúrgicos, sino también en la transmisión de las ciencias humanas. Durante toda la Edad Media y gran parte de la época moderna, el latín fue usado como lengua de los profesores universitarios. Los grandes pensadores escribían tratados de medicina, física, teología y derecho en latín.

Con el advenimiento de la modernidad, especialmente con la consolidación de los movimientos nacionalistas, todos los pueblos occidentales pasaron a adoptar la lengua nacional para el magisterio y administración estatal. Se diría que el latín entraría al final sin gloria de su larga Historia.

Entretanto, el latín resistió en las cátedras universitarias y permaneció como lengua oficial de Hungría hasta el siglo XIX. Hoy, el latín no se restringe a ser solo la lengua oficial del pequeño estado del Vaticano, sino que su alfabeto es usado por más de la mitad de la población mundial. No hay continente que no posea países que usen una lengua románica – especialmente español, portugués y francés – como idioma oficial. El idioma es considerado por muchos autores como la principal fuente lingüística de la cultura occidental.

También Internet es un lugar propicio para la difusión del latín. Finlandeses, alemanes, italianos, norteamericanos, chilenos y polacos buscan aún hoy conservar el latín como lengua viva.

Uniéndose a los esfuerzos de los amantes de la lengua de Cicerón, Horacio y Virgilio, algunos estudiantes residentes en Brasil y miembros del Instituto Teológico Santo Tomás de Aquino (ITTA), buscan difundir en la red mundial artículos, noticias y escritos en la lengua de los Padres Latinos de la Iglesia.