Maio 062012
 

Concedei-me

Oração composta e rezada diariamente por São Tomás[2]

São Tomás de Aquino[3]

São Tomás de Aquino

São Tomás de Aquino

 

 Concedei-me [1], Deus misericordioso,

que aquilo que vos agrada:

ardentemente desejar,

prudentemente investigar,

sinceramente apreciar,

perfeitamente consumar.

 

Para louvor e glória de vosso nome:

ordenai minha vida,

fazei-me compreender o que quereis de mim,

ajudai-me a cumprir o que é necessário

e o que seja útil para a minha alma.

 

Que a Vós, Senhor, minha via seja segura e completa,

sem esmorecer nas prosperidades ou adversidades,

para que Vos renda graças nas prosperidades,

e mantenha a paciência nas adversidades,

não me deixando exaltar por aquelas,

nem me desanimando por estas.

 

Que não me alegre em nada que não me leve a Vós,

tampouco me entristeça, exceto quando afastado de Vós,

a ninguém desejando comprazer, ou temer desagradar, salvo a Vós.

Que as coisas passageiras a mim se aviltem por Vós,

estimadas todas as vossas coisas me sejam, mas Vós,

ó Deus, mais que tudo.

 

Que me causem desgosto todas as alegrias sem Vós,

nada desejando além de Vós.

Que me deleite o trabalho para Vós,

e tedioso o repouso sem Vós.

Dai-me constantemente um coração por Vós elevado,

com dor e propósito de emenda por minhas faltas, ponderado.

 

Fazei-me, meu Deus:

humilde sem ficção,

alegre sem dissipação,

sério sem depressão,

oportuno sem opressão,

ágil sem frivolidade,

veraz sem duplicidade,

temendo-vos sem desesperação,

confiante sem presunção,

corrigindo o próximo sem pretensão,

edificando-o pela palavra

e pelo exemplo sem ostentação,

obediente sem contradição,

paciente sem murmuração.

 

Dai-me, ó dulcíssimo Deus, um coração:

vigilante, distanciando-se de Vós qualquer curiosa cogitação,

nobre, às vilezas, isento de indigna afeição,

invencível, que não o fraqueje nenhuma tribulação,

íntegro, que não o seduza nenhuma violenta tentação,

reto, que não o desvie nenhuma perversa intenção.

 

Concedei-me, Senhor meu Deus:

uma inteligência para vos conhecer,

um amor para vos buscar,

uma sabedoria para vos encontrar,

um convívio para vos agradar,

uma perseverança fiel para vos esperar,

e, por fim, uma confiança para vos abraçar.

 

Que eu seja transpassado por vossas penas pela penitência,

que no caminho seja agraciado por vossos benefícios pela graça,

e gozar de vossas alegrias na Pátria pela glória.

Amém.

 

Texto latino 

Explicação prévia para os iniciantes em latim – algumas curiosidades

São Tomás de Aquino, pintura na Igreja Nossa Senhora do Rosário, em São Paulo, Brasil

São Tomás de Aquino, pintura na Igreja Nossa Senhora do Rosário, em São Paulo, Brasil

O texto abaixo exige algumas explicações prévias para os iniciantes no latim:

Em primeiro lugar, tal como o latim clássico, o medieval desconhecia a diferença entre as letras “v” e “u”. Assim, o leitor poderá estranhar que em lugares nos quais se pensaria ser correto um “v”, teremos um “u”. O iniciante deve habituar-se em distinguir a diferença entre “u-v” e “u-u” para a compreensão do texto ao se ler os escritos antigos. Eis um exercício interessante para os leitores que um dia pretendem ler tais manuscritos…

Em segundo lugar, o pronome “mihi” está grafado de uma forma diferente da que estamos habituados: “michi”. Esse pormenor evidencia que a pronúncia feita por alguns eclesiásticos: “miki”, em vez de “mirri” ou “mii”, não é de modo algum infudada. Como dissemos, existe grande variedade na pronúncia dessa partícula por parte dos latinistas.

Em terceiro lugar, há a variante “mee” em vez de “meae”, não julgue o leitor que seria um erro de transcrição. Essa variante ocorria com frequencia no latim medieval.

O último pormenor interessante do latim medieval transcrito abaixo é que se escreve “ylarem”, com “y” grego, e não “hilarem”, como nos textos eclesiásticos atuais. Assim, na Idade Média se escrevia “Ystoria”, em vez de “Historia”, “Ylarem”, em vez de “Hilarem”. Eis outra particularidade interessante do latim medieval.

Além de notar essas particularidades, o leitor poderá degustar a poesia latina nessa oração, que demonstra como São Tomás não era apenas um filósofo a falar de Deus em termos abstratos. Muito pelo contrário, se percebe um coração cheio de entusiasmo, equilíbrio e humildade, além de um invulgar senso poético e métrico. Esse modo de escrever – digno de se enquadrado numa melodia gregoriana – é realmente cativante. Experimento o leitor!

 

Oratio quam fecit beatus Thomas

Concede michi misericors Deus

qui tibi piacita sunt ardenter concupiscere,

prudenter  inuestigare,

ueraciter agnoscere

et perfecte implere.

Ad laudem et gloriam nominis tui ordina statum meum,

et quod a me requiris tribue ut sciam,

et da ex equi ut oportet et expedit anime mee.

Via mea, Domine, ad te tuta sit, recta et consummata,

non deficiens iriter prospera et aduersa,

ut in prosperis tibi gratiam referam 

et in aduersis seruem patientiam,

ut  in illis non extollar et in  istis  non deprimar; 

de nullo gaudeam nisi quod promoueat me apud te,

nec de aliquo doleam nisi quod abducat me a te; 

nulli  piacere appetam uel displicere timeam nisi te.

 Vilescant michi omnia transitoria propter te,

et cara sint michi omnia tua

et tu Deus super quam omnia.

Tedeat me omnis gaudii quod est sine te

nec cupiam aliquid quod est extra te.

Delecte me labor qui est pro te;

et tediosa sit michi omnis quies que non est in te.

Frequenter da me cor meum ad te dirigere,

et defectionem meam cum emendationis proposito dolendo pensare.

Fac me, Deus meus,

humilem sine fictione,

ylarem sine dissolutione, 

tristem sine deiectione,

maturum sine grauiture,

agilem sine leuitate,

ueracem sine duplicitate,

te timentem sine desperatione,

sperentem sine presumptione,

proximum corrigere sine simulatione,

ipsum edificare uerbo et exempio sine elatione,

obedientem sine contradictione,

patientem sine murmuratione.

Da michi,dulcissime Deus,

cor peruigil quod nulla abducat a te curiosa cogitatio; 

da nobile quod nulla deorsum trahat indigna affectio; 

da in uictum quod nulla fatiget tribulatio; 

et da liberum quod nulla sibi uendicet uiolenta temptatio; 

et da rectum  quod nulla obliquet sinistra intentio.

Largire michi, Domine Deus meus, 

intellectum  te  cognoscentem,

diligentiam te querentem,

sapientiam te inuenientem,

conuersationem tibi placentem,

perseuerantiam te fideliter expectantem,

et fiduciam  te finaliter amplectentem; 

tuis penis configi per penitentiam, 

tuis beneficiis uti  in uia per gratiam,

et tuis gaudiis in patria frui per gloriam. Amen.

 

Por vezes o Doutor Angélico é representado na iconografia com asas

Por vezes o Doutor Angélico é representado na iconografia com asas


[1] Texto latino da oração Concede michi extraído de: Guilelmus de Tocco. Ystoria sancti Thome de Aquino, cap. 29. In: Ibid. Ed. Claire Le Brun-Gouanvic. Toronto: Pontifical Institute of Mediaeval Studies, 1996, p. 156, l. 56-86. Tradução de Diác. Felipe de Azevedo Ramos, EP com ligeiras adaptações para a língua portuguesa. Embora não conste o formato versificado no texto original acima mencionado, optou-se por dividir o texto para melhor compreensão e para destacar o estilo rimado em certas partes do texto de São Tomás de Aquino.

[2]A introdução completa a respeito desta oração se lê em Guilherme de Tocco (cf. op. cit., p. 156, l.53-56): “De quo deuoto et sancto doctore dicitur quod infra scriptam orationem composuit, continentia completam, affectione deuotam et stilo politam, quam omni die dicebat. Oratio quam fecit beatus Thomas, quam omni die dicebat”.

[3]Embora alguns catálogos mencionem esta oração como sendo de dúbia autenticidade, assignamos a autoria a São Tomás por estar inserida na quarta e última revisão do autor da História de São Tomás de Aquinonum trecho dedicado ao tema da contemplação e da oração. Para mais detalhes sobre este texto e sua autenticidade: Cf. Doyle, A. I. A Prayer Attributed to St. Thomas d’Aquinas. Dominican Studies, l, 1948, p. 229-238.

Obrigado por seu comentário!