jun 152012
 

Orações para decorar as declinações e os casos latinos

OracaoEspiritodeOracaoMaospostasjuventuderezandoprayersboypraymeninorezandoA oração ajuda o aprendizado. Selecionamos algumas trechos de orações famosas do catolicismo como a doxologia conhecida como “Glória ao Pai”, ou ainda alguns trechos do Confíteor e do Pai Nosso em latim, no qual poderemos aprender as declinações dos cinco casos latinos. Basta rezar essas orações diariamente e procurar reter os casos que elas apresentam, e assim, aprenderemos rezando e rezaremos para aprender.

Observação Importante: Os números indicam a que declinação a palavra pertence.

Vocativo (Só existe diferenças na segunda declinação)

 Domine Fili, unigenite, Jesu Christe, Domine Deus (Trecho do Glória catado na Missa de Domingo)

Genitivo (Singular)

 In nomine Patris3, et Filii2, et Spiritus4 Sancti2. (Sinal da cruz). Para a primeira declinação basta lembrar de Nossa Senhora: (In nomine Mariae1).

Deus qui corda fidelium3; Patrum3 nostrorum2 et Matrum3 nostrarum1 manuum4 tuarum1; prima lux diei5; calor dierum5

 Dativo (Singular)

 Gloria Patri3, et Filio2, et Spiritui4 Sancto2 (Trecho do Glória ao Pai). Para a primeira declinação: (Gloria Mariae1)

Sanctis2 Patribus3 filiis sanctis1 e 2 cum spiritibus4 angelicis2 ; diei5 sanctorum omnium (Expressões do Ofício Divino)

 Ablativo (Singular)

Quia peccavi nimis cogitatione3, verbo2, opere3, et omissione3, mea1 culpa1, mea culpa, mea máxima culpa (Trecho do Confíteor).

Et cum Spiritu4 tuo (Resposta da missa em latim)

Die5

 Ablativo e Dativo (Plural)

Sicut dimittimus debitoribus3 e 4 nostris1 e 2 (Trecho do Pai Nosso).

In diebus5 nostris2 (Oração privada)

Acusativo

 Emitte spiritum4 tuum2; et renovabis faciem3 terrae (Jaculatória ao Espírito Santo)

 Carpe Diem5 (Ditado romano com significado hedonista: “aproveia o dia”)

Mariam1 semper virginem3 intercetionem3 (Trecho de uma antiga oração a Nossa Senhora presente no Ofício Divino)

Da mihi virtutem3 contra hostes3 tuos2 (Jaculatória pedindo força contra as tentações e ciladas do demônio)

Condede nos famulos2 tuos (Início de uma oração a Nossa Senhora)

17_Seminaristas_evangelization_17_IMG_0584

Seminaristas dos Arautos do Evangelho revezam-se em adoração perpétua ao Santíssimo Sacramento em uma das capelas da Basílica Nossa Senhora do Rosário na Grande São Paulo, Brasil

jun 092012
 

Pronomes relativos em latim

 Antes de qualquer explicação, oferecemos a tabelas dos pronomes relativos.

 

Singular

Plural

N.

Qui

Quae

Quod

Qui

Quae

Quae

Ac.

Quem

Quam

Quod

Quos

Quas

Quae

G.

Cuius

Cuius

Cuius

Quorum

Quarum

Quorum

D.

Cui

Cui

Cui

Quibus ou queis

Ab.

Quo

Qua

Quo

Quibus ou queis

O pronome relativo concorda com o antecedente apenas em gênero e número. O caso em que estará dependerá da função que estiver exercendo na oração por ele iniciada. Exemplos:

Curso de latim_Niño Jesús aprende a leer - Ig. S. Rita_Niza_Nice_France

Menino Jesus aprendendo a ler, Nice, França

O qui está no singular masculino porque sucede e corresponde à palavra discipulus. O qui está no nominativo porque é o sujeito do verbo amat.

Puer cui libros dedi, frater tuus est.

O cui (para quem) está no singular masculino porque corresponte à palavra puer, mas não está no nominativo, porque é objeto indireto do verbo dedi (dei).

Servae quarum filiae bonae sunt, beatae semper fuerunt.

O quarum está no plural feminino porque corresponde a servae, mas está no genitivo, porque restringe ou determina quais filiae a frase se refere. As servas, das quais as filhas são boas, sempre foram felizes.

 Oferecemos algumas frases nas quais os leitores podem se esxercitar: 

  1. Homo quem laudo, honestus est.
  2. Puella in qua coronam videmus, filia Petri est.
  3. Discipuli quibus dona dedisti, amici mei sunt.
  4. Pater cuius filii in schola sunt, beatus est.
  5. Bona sunt ea quae Deus nobis est.
jun 012012
 

Tulpe_Tulipa_Tulip_Tuplipe_ Tulipanes silvestres-Apeninos de Emilia Romagna-lampsahde_Italia-GAz-Tulipa_DSCN5056Querela simpatica sed non simplex inter cognitionem Dei per symbologiam et per rationem…

Scisne? (Sic incipimus colloquium in Brasilia)  Quamvis enim aliqui philosophi francogallicae in saeculo XVII-XVIII et germanici supra omnia in saeculo XIX pugna inter symboligiam rationemque discursivam facere voluerunt, quamvis enim etiam et metodologia academica hodierna valorem analogiae despicere, puto quod non est fractio inter eas sensu commune. Etenim, ipsa via rationale necesse est de natura exit ut inveniat Deum.

Quid plura? Sacra Scriptura, in ore Apostoli dixit ad Romanos: “Invisibilia enim ipsius a creatura mundi per ea, quae facta sunt, intellecta conspiciuntur, sempiterna eius et virtus et divinitas, ut sint inexcusabiles” (Rm 1,20); et iterum, in verba poetica: “Caeli enarrant gloriam Dei, et opera manuum eius annuntiat firmamentum. Dies diei eructat verbum, et nox nocti indicat scientiam. Non sunt loquelae neque sermones, quorum non intellegantur voces:  in omnem terram exivit sonus eorum, et in fines orbis terrae verba eorum” (Sl 19,1-5).

Praeteriea, ipsa veritas est fundamentalis, quam Scriptura et Traditio docere et celebrare non desinunt, mundum ad Dei gloriam conditum esse. Deus omnia creavit, explicat sanctus Bonaventura non propter gloriam augendam, sed propter hominibus gloriam manifestandam et propter gloriam Suam communicandam.Deus bonitate Sua et omnipotenti virtute non ad augendam Suam beatitudinem nec ad acquirendam, sed ad manifestandam perfectionem Suam per bona hominibus, quae creaturis impertitur, liberrimo consilio simul ab initio temporis utramque de nihilo condidit creaturam, spiritualem et corporalem. Gloria Dei est ut haec manifestatio et haec communicatio Suae bonitatis, propter quas mundus creatus est, in rem ducantur.

Exemplum gratiae exercitii huius contemplationis est quod Sanctus Franciscus dixit in italiano antiquo. Scribo hic ut placeat tibi, o lector, quomodo placuit mihi:

Altissimo, onnipotente, bon Signore,
tue so’ le laude, la gloria e l’honore et onne benedictione.

Ad te solo, Altissimo, se konfano
et nullu homo ène dignu te mentovare.

Laudato sie mi’ Signore, cum tucte le tue creature,
spetialmente messor lo frate sole,
lo qual è iorno et allumini noi per lui.
Et ellu è bellu e radiante cum grande splendore,
de te, Altissimo, porta significatione.

Laudato si’ mi’ Signore, per sora luna e le stelle,
in celu l’ài formate clarite et pretiose et belle.

Laudato si’ mi’ Signore, per frate vento
et per aere et nubilo et sereno et onne tempo,
per lo quale a le tue creature dai sustentamento.

Laudato si’ mi’ Signore, per sora aqua,
la quale è multo utile et humile et pretiosa et casta.

Laudato si’ mi Signore, per frate focu,
per lo quale ennallumini la nocte,
et ello è bello et iocundo et robustoso et forte.

Laudato si’ mi’ Signore, per sora nostra matre terra,
la quale ne sustenta et governa,
et produce diversi fructi con coloriti flori et herba.

Laudato si’ mi’ Signore, per quelli ke perdonano per lo tuo amore,
et sostengo infirmitate et tribulatione.

Beati quelli ke ‘l sosterrano in pace,
ka da te, Altissimo, sirano incoronati.

Laudato si’ mi’ Signore per sora nostra morte corporale,
da la quale nullu homo vivente pò skappare.
guai a quelli ke morrano ne le peccata mortali,
beati quelli ke trovarà ne le tue santissime voluntati,
ka la morte secunda no ‘l farrà male.

Laudate et benedicete mi’ Signore’ et ringratiate
et serviateli cun grande humilitate.

Sicut pulchritudo ad oculos, odoramentum ad nasum, musica ad aures est canticum Francisci ad intellectum… Ipsa est Schola Spiritualis Evangelii Praeconum: inter logicam et analogiam contemplationis harmonia efficit. Spritualitas non tantum Praeconum sed supra omnia Ecclesia Catholica est, et non solum Ecclesia. Ipse principium religionis naturalis secundum quod dixit Sanctus Thomas in Summa contra gentiles, in capitulo 34: quod ea quae dicuntur de Deo et creaturis dicuntur analogice:

1. Sic igitur ex dictis relinquitur quod ea quae de Deo et rebus aliis dicuntur, praedicantur neque univoce neque aequivoce, sed analogice: hoc est, secundum ordinem vel respectum ad aliquid unum. Quod quidem dupliciter contingit: uno modo, secundum quod multa habent respectum ad aliquid unum: sicut secundum respectum ad unam sanitatem animal dicitur sanum ut eius subiectum, medicina ut eius effectivum, cibus ut conservativum, urina ut signum. Alio modo, secundum quod duorum attenditur ordo vel respectus, non ad aliquid alterum, sed ad unum ipsorum: sicut ens de substantia et accidente dicitur secundum quod accidens ad substantiam respectum habet, non quod substantia et accidens ad aliquid tertium referantur. Huiusmodi igitur nomina de Deo et rebus aliis non dicuntur analogice secundum primum modum, oporteret enim aliquid Deo ponere prius: sed modo secundo.
2. In huiusmodi autem analogica praedicatione ordo attenditur idem secundum nomen et secundum rem quandoque, quandoque vero non idem. Nam ordo nominis sequitur ordinem cognitionis: quia est signum intelligibilis conceptionis. Quando igitur id quod est prius secundum rem, invenitur etiam cognitione prius, idem invenitur prius et secundum nominis rationem et secundum rei naturam: sicut substantia est prior accidente et natura, inquantum substantia est causa accidentis; et cognitione, inquantum substantia in definitione accidentis ponitur. Et ideo ens dicitur prius de substantia quam de accidente et secundum rei naturam et secundum nominis rationem. Quando vero id quod est prius secundum naturam, est posterius secundum cognitionem, tunc in analogicis non est idem ordo secundum rem et secundum nominis rationem: sicut virtus sanandi quae est in sanativis, prior est naturaliter sanitate quae est in animali, sicut causa effectu; sed quia hanc virtutem per effectum cognoscimus, ideo etiam ex effectu nominamus. Et inde est quod sanativum est prius ordine rei, sed animal dicitur per prius sanum secundum nominis rationem. Sic igitur, quia ex rebus aliis in Dei cognitionem pervenimus, res nominum de Deo et rebus aliis dictorum per prius est in Deo secundum suum modum, sed ratio nominis per posterius. Unde et nominari dicitur a suis causatis.

Itaque, puto non habere fractionem inter symbologiam rationemque. Ergo neutrum irrationalis est, quia cognitio Dei figura poetica vel rationale semper analogice sunt.

Marcos Eduardo Melo dos Santos

Revisão: F. Araújo

maio 162012
 
Liber_Cantualis

O coletânea dos mais belos cânticos gregorianos, que vem a lume sob a coordenação do Pe. Pedro Morazzani, EP, é fruto de décadas do cultivo do gregoriano no dia-a-dia da comunidade religiosa dos Arautos do Evangelho. Cada melodia está acompanhada da partitura e da tradução portuguesa do texto latino.

O gregoriano nasceu na aurora da Idade Média com a compilação de alguns hinos usados pela cristandade primitiva por ordem do Papa São Gregório Magno (590-604). Essa coletânea de cânticos eclesiásticos passou para a História com o nome de canto “gregoriano” em homenagem ao virtuoso Pontífice.

Passados tantos séculos do seu surgimento, o Concílio Vaticano II definiu o gregoriano “como o canto próprio da liturgia romana”, destinado na ação litúrgica ao “primeiro lugar” (Sacrosanctum Concilium, 116). Em razão disso os padres conciliares procuraram estimular os fieis a “cultivar com sumo cuidado o tesouro da música sacra” recomendando de maneira ingente a formação de schola cantorum “nos Seminários, noviciados e casas de estudo de religiosos de ambos os sexos, bem como em outros institutos e escolas católicas” (Idem, 114-115).

Anos mais tarde, o Papa João Paulo II reafirmou essa primazia do gregoriano: “no tocante às composições musicais litúrgicas, faço minha a ‘regra geral’ formulada por São Pio X nestes termos: ‘Uma composição religiosa é tanto mais sagrada e litúrgica quanto mais se aproxima — no andamento, na inspiração e no sabor — da melodia gregoriana; e é tanto menos digna do templo quanto mais se distancia desse modelo supremo” (Quirógrafo de João Paulo II sobre a Música Litúrgica, 12).

Testemunha do relevante papel que a música sacra tem na vida espiritual dos católicos desde os primeiros tempos do cristianismo, Santo Agostinho em uma de suas mais célebres obras, as Confissões, afirmou que o contato com as piedosas melodias litúrgicas das cerimônias presididas por Santo Ambrósio, o ajudaram a encontrar o caminho da Verdade: “Quanto chorei ouvindo vossos hinos, vossos cânticos, os acentos suaves que ecoavam em vossa Igreja! Que emoção me causavam! Fluíam em meu ouvido, destilando a verdade em meu coração. Um grande impulso de piedade me elevava, as lágrimas corriam-me pela face, e me sentia plenamente feliz” (Confessionum, 9, 6: PL 769,14.).

Oficio dominical cantado em estilo gregoriano na Igreja Nossa Senhora do Rosário pertencente aos Arautos do Evangelho de São Paulo, Brasil

Oficio dominical cantado em estilo gregoriano na Igreja Nossa Senhora do Rosário pertencente aos Arautos do Evangelho de São Paulo, Brasil

Movidos pela admiração para com o cântico oficial da liturgia católica os Arautos do Evangelho procuram divulgar em nosso imenso Brasil este inestimável tesouro litúrgico, publicando esta obra que reúne Os mais belos cânticos gregorianos. Que essas melodias ressoem nos templos sagrados do nosso país para o bem espiritual dos fieis e a glorificação de Jesus Eucarístico, conforme as recentes orientações litúrgicas dadas pelo Papa Bento XVI: “Na arte da celebração, ocupa lugar de destaque o canto litúrgico. […] Enquanto elemento litúrgico, o canto deve integrar-se na forma própria da celebração; consequentemente, tudo – no texto, na melodia, na execução – deve corresponder ao sentido do mistério celebrado, às várias partes do rito e aos diferentes tempos litúrgicos. Enfim, embora tendo em conta as distintas orientações e as diferentes e amplamente louváveis tradições, desejo – como foi pedido pelos padres sinodais – que se valorize adequadamente o canto gregoriano, como canto próprio da liturgia romana” (Sacramentum Caritatis, 42).

O livro contem 282 páginas e é publicado em São Paulo pelos Arautos do Evangelho com o apoio da Editora Lumen Sapientiae.

Para visualizar partes do livro, clique aqui.

Faça já o seu pedido ao Instituto Lumen Sapientiae!
Rua Dom Domingos de Sillos, n° 238
CEP: 02526-030 – São Paulo -SP
(11) 4419-2311
Endereço eletrônico: [email protected]

maio 122012
 

 

Ivanaldo Santos[1]

De acordo com a Constituição Apostólica Veterum Sapientia, que trata do uso do latim pela Igreja, essa língua:

 

Nascida nos confins do Lácio, ela auxiliou de modo admirável a difusão do nome cristão nas regiões ocidentais. Não sem disposição divina aconteceu que aquele  idioma que reuniu por muitos séculos numa amplíssima sociedade de povos sob a autoridade do Império Romano foi assumido como língua própria da Sé Apostólica e, guardada pela posteridade, uniu uns com os outros os povos cristãos da Europa num alto vínculo.

Pela sua própria natureza a língua latina é apta a promover junto a qualquer povo toda cultura humana; e como não suscita a inveja e se apresenta com equidade diante de todos os povos, sem favorecer qualquer parte, é para todos aceitável e agradável. E não se deve negligenciar que na oração latina há uma nobreza de forma e estrutura, possibilitando um estilo conciso, rico, variegado, cheio de majestade e de dignidade, que contribui de maneira singular à clareza e à perspicácia.[2]

Além disso, acrescenta o documento pontifício:

A ninguém é lícito duvidar que não exista nos discursos dos romanos ou em suas veneráveis cartas uma força intrínseca para instruir as mentes informes dos adolescentes. Através dela, de fato, formam-se, amadurecem, se aperfeiçoam as melhores capacidades da alma; aguçam-se a acuidade da mente e a capacidade do juízo; além disso, a inteligência pueril é mais convenientemente preparada para compreender e julgar no justo sentido de cada coisa; enfim, aprende-se a pensar e a falar com suma ordem [razão].[3]

 

São Tomás de Aquino com São Pedro e São Paulo, Catedral de Dijon, França

São Tomás de Aquino com São Pedro e São Paulo, Catedral de Dijon, França

Apesar da alta contribuição para a sociedade, atestada pela Veterum Sapientia, atualmente o latim passa por um momento bastante peculiar. De um lado, há um renascimento do interesse e dos estudos sobre o latim e, de outro lado, esse idioma é constantemente acusado de ser uma língua morta e de estar ligado à cultura e à liturgia cristã. Em um mundo marcado pelo secularismo, pelo preconceito e até mesmo pelo desprezo pelo sagrado, a identificação do latim com o Cristianismo torna seu estudo um elemento problemático.

Entretanto, como bem salienta Haroldo Bruno o latim é “uma língua viva (do passado)”,[4] ou seja, não se pode negar que o latim atualmente seja uma língua que não desfruta do status de idioma oficial de alguma grande nação. O único governo que mantém o latim como língua oficial é a Cidade do Vaticano, a Sé Apostólica da Igreja, menor Estado do mundo. Com isso, atualmente o latim não tem o prestígio político que desfrutou até o século XVIII.

No entanto, o latim é uma língua viva. Muitas comunidades, ao redor do mundo, ainda preservam o latim. Sem contar que ele é fundamental para o estudo e a compreensão da rica cultura ocidental. É preciso ter consciência que a produção cultural do Ocidente (literatura, filosofia, teologia, etc) foi realizada, durante mais de 1500 anos, com a língua latina. Sem ela não teríamos, por exemplo, a eloquência de Cícero, o grande orador romano, a mística e a arte monástica e o gênio humanístico de Tomás de Aquino. Por causa desses e outros fatores que não foram mencionados é preciso, mais do que nunca, superar o “preconceito de que o latim é uma língua morta”[5] e mergulhar na investigação dessa importante e clássica língua ocidental.

Apenas para se ter uma pequena ideia do interesse crescente em torno do latim, recentemente um grupo de estudantes universitários criaram um site inteiramente em latim.[6] Movidos pela beleza e precisão da língua latina, alguns estudantes do Instituto Teológico São Tomás de Aquino (ITTA), em São Paulo, realizaram uma iniciativa inédita no Brasil: criaram um site escrito em latim. Trata-se do Praecones Latine (http://latine.blog.arautos.org/), que reúne textos, artigos, orações e notícias.

O latim “singularmente contribui à clareza e à seriedade”[7] da reflexão e do pensamento. Muitos literatos e pensadores jamais teriam composto suas obras se não fosse por meio do auxílio, direto ou indireto, do latim. Por causa disso ele muito contribuiu e contribui “para o progresso do gênero humano”,[8] permitindo, ao mesmo tempo, que a “comunicação seja universal”,[9] mas “também imutável”.[10]

Em nossos dias são inúmeros os exemplos que podem ser dados sobre o uso do latim. Entre esses exemplos cita-se: a importância do latim para o ensino de português,[11] o uso do latim na liturgia católica,[12] a discussão sobre a estética barroca,[13] a atualidade da configuracionalidade em latim clássico e em latim vulgar[14] e até mesmo a realização das propostas para padronização da terminologia empregada em sistemas agroflorestais.[15]

Não é intensão desse pequeno artigo apresentar toda a rica atualidade da língua latina. A intensão é bem mais modesta. O objetivo desse artigo é apresentar a importância do latim para os estudos tomistas.

É preciso realizar dois importantes esclarecimentos. O primeiro é que ao longo da discussão não serão abordadas ou definidas expressões, como, por exemplo, tomismo e tomista. Essa discussão foi realizada por estudiosos como Paulo Faitanin,[16] Francisco Elias de Tejada[17] e João Clá Dias.[18] O segundo é que temas de suma importância para a compreensão do latim em Tomás de Aquino não serão tratados. Entre esses temas cita-se: fonologia, morfologia e os aspectos sintáticos. Em grande medida eles foram pesquisados por Nestor Dockhorn.[19]

De posse desses dois esclarecimentos passa-se a se apresentar um conjunto de sete explicações que demostram a importância do latim para os estudos tomistas.

A primeira explicação é o fato de Tomás de Aquino ser um dos maiores pensadores e humanistas de toda a história. Sem a rica obra produzida pelo Aquinate dificilmente a humanidade teria conseguindo avançar em muitos campos do conhecimento, como, por exemplo, a teologia, a filosofia e o direito. Como bem observa Paulo Faitanin a obra de Tomás de Aquino está aberta a dialogar com as “verdades de qualquer época”.[20] Sem contar que o Aquinate é uma influência marcante dentro do pensamento contemporâneo,[21] conseguido provocar um raro e frutífero diálogo, por exemplo, com Martin Heidegger (tomismo heideggeriano), com a fenomenologia (tomismo fenomenológico), com o existencialismo (tomismo existencial), com a lógica (tomismo lógico) e mais recentemente com a filosofia analítica (tomismo analítico).

A questão central é que, como bem salienta Nestor Dockhorn,[22] Tomás escreveu uma vasta obra, desde pequenas produções poéticas litúrgicas até obras de grande fôlego. Os hinos eucarísticos Lauda Sion e Pange lingua (no qual se insere o conhecido Tantum ergo) são dignos de estudo, por seu conteúdo e por sua métrica. Além disso, escreveu obras filosóficas, tais como: De ente et essentia, De aeternitate mundi, De veritate, De malo e outras. Trabalhou com vários textos de Aristóteles. Suas obras mais importantes foram a Summa contra gentiles (que é uma exposição do Cristianismo dirigida a não crentes) e a Summa theologiae, também chamada Summa theologica. Esta última se apresenta como uma obra didática destinada a ajudar aos estudantes iniciais de teologia e filosofia. Na verdade, é uma das obras mais profundas e extensas que foram escritas no campo da teologia filosófica. Sua lógica, sua divisão em partes, seu raciocínio são admiráveis.

No entanto, todo o chamado corpus tomista, ou seja, o conjunto da obra produzida pelo Aquinate, é em latim. Para a produção de sua obra intelectual Tomás utilizou o latim medieval. Como ressalta Jean Lauand[23] o latim medieval alimenta-se não só do latim da antiguidade clássica, mas também da vida litúrgica; não era uma língua morta — como muitos defendem contemporaneamente —, mas estava continuamente desenvolvendo-se vivamente. Por sua vez, Tomás de Aquino, mergulhado na cultura medieval e clássica, cuida de não empregar essa língua com caráter técnico, artificial, terminológico, mas mantê-la com a viveza de uma linguagem corrente, natural.

Para um estudioso ou um iniciante nas reflexões contidas no corpus tomista é de suma importância o conhecimento do latim. Mesmo que o pesquisador não tenha um domínio pleno do latim — em grande parte devido a todas as sutilezas e exceções contidas na língua latina — é preciso conhecer um pouco dessa língua para poder realizar uma leitura e uma investigação mais apropriadas.

São Tomás de Aquino, Catedral de Notre Dame de Paris, França

São Tomás de Aquino, Catedral de Notre Dame de Paris, França

A segunda explicação é que apesar de em muitas partes do mundo, especialmente na Europa e nos EUA, haver boas traduções de algumas obras do Aquinate, especialmente da Summa contra gentiles e da Summa theologiae, o fato é que são poucos os países que possuem a tradução completa do corpus tomista. A grande maioria dos países e, por conseguinte, das línguas, possuem uma tradução limitada do corpus tomista. Sem contar que existe um grande número de línguas e ambientes — especialmente os confins tribais, isolados e de difícil comunicação tecno-cultural — que simplesmente não possuem a tradução de nenhuma obra do Aquinate.

Por esses fatores torna-se fundamental o conhecimento do latim. Sem o conhecimento dessa língua é praticamente impossível uma boa discussão do corpus tomista.

A terceira explicação é a intima relação entre Tomás de Aquino e a escolástica medieval e a escolástica moderna — que nasce no final do século XVIII e chega até o século XXI — também conhecida como neoescolástica. Para se apresentar essa explicação serão desenvolvidos dois argumentos.

O primeiro é que a escolástica medieval deve seu ponto áureo e seu apogeu com a obra produzida por Tomás de Aquino.[24] E como visto anteriormente, essa obra foi produzida em língua latina. Para se conhecer e pesquisar, com profundidade, a escolástica e o seu maior vulto, o Aquinate, é preciso ter certo domínio do latim.

O segundo é que apesar das pesquisas realizadas pela neoescolástica, em grande medida, serem em língua vernácula, o latim é fundamental para a compreensão dessas pesquisas. Sem o latim é difícil ou quase impossível haver um entendimento sobre os conceitos e a discussão intelectual que está sendo desenvolvida. O domínio do latim é fundamental para o domínio do conteúdo presente nos debates travados pelos neoescolásticos.

A quarta explicação é a necessidade de se compreender, de forma clara e precisa, os conceitos desenvolvidos por Tomás de Aquino. Ele pensou, escreveu e produziu sua obra em latim. Muitas vezes redefini antigos conceitos, oriundos da antiguidade, ou elabora novos. Um bom exemplo é dado por Renato Cancian.[25] Segundo ele, Tomás elabora uma sofisticada discussão em torno do conceito de intelecto. Para ele, o Aquinate partiu do princípio de que os seres humanos, ao contrário dos animais, têm a capacidade do intelecto ou entendimento (em latim intellectus). A palavra latina intellectus deriva do verbo intelligire e se traduz, vulgarmente, por entender, mas, no latim de Tomás de Aquino, é um verbo de uso muito mais geral que corresponde, aproximadamente, ao nosso pensar. A partir dessa discussão Tomás fez considerações a respeito da divisão e do método ou modo de proceder das ciências teóricas. Trata-se de reflexões que permanecem atuais. Essas e outras reflexões que foram realizadas pelo Aquinate só podem ser totalmente compreendidas se houver certo domínio da língua latina. É muito difícil entender a ampla complexidade dos conceitos tomistas se não houve domínio do latim. Por isso, o latim torna-se fundamental.

A quinta explicação é toda a rica tradição de pesquisas do neotomismo. Uma tradição que remonta ao final do século XVIII[F1]  e chega, com grande vigor, ao século XXI. O neotomismo é profundamente orientado pelo princípio de que a obra de Tomás de Aquino é perene, ou seja, constante. Por isso, ao contrário do que muitos críticos afirmam, ela não está presa a Idade Média. Trata-se de uma obra capaz de orientar, ao longo dos séculos, todos os pensadores que, livres dos preconceitos ideológicos que regem a modernidade, estudarem os problemas que angustiam o ser humano, sendo, para tanto, “inteiramente sustentados por Tomás”.[26]

Graças a essa sustentação foi possível surgir importantes pensadores contemporâneos, como, por exemplo, Étienne Gilson, Jacques Maritain, Cornelio Fabro, Anthony Kenny, Peter Thomas Geach e John Haldane. Esses pensadores só conseguiram realizar suas reflexões — cada uma tendo seu próprio objeto de estudo — graças à influência de Tomás de Aquino.

No entanto, o neotomismo e qualquer outra corrente que estude Tomás no século XXI tem que ter certo domínio do latim. Só é possível compreender profundamente o corpus tomista e, por conseguinte, aplicá-lo a pesquisas contemporâneas, se houver um amparo na língua latina. O estudo dessa língua torna-se quase obrigatório a todos que desejam realizar uma séria pesquisa de corte neotomista.

A sexta explicação é a recomendação, dada pela Santa Sé,[27] que a obra de Tomás de Aquino, especialmente a Summa theologiae, deve ser ensinada, refletida e compreendida nas universidades, escolas, seminários, mosteiros, conventos e demais centros de estudos católicos. Além disso, dentro dos limites previstos pela legislação de cada país, essa obra também deve ser ensinada dentro dos centros de ensinos (universidades, escolas, institutos tecnológicos, etc) seculares e civis.

O ensino da obra do Aquinate nos diversos ambientes de estudos e pesquisas só trará o enriquecimento e o aprimoramento da cultura humanística. No entanto, deve-se ensinar e, ao mesmo tempo, refletir a obra do Aquinate dentro da dinâmica interna de cada cultura e de cada língua vernácula, sem jamais descuidar das “lições da língua latina”.[28] O estudo de Tomás de Aquino deve-se sempre levar em conta a língua latina como uma das fontes de inspiração e de compreensão de Tomás de Aquino.

A sétima e última explicação é o fato da obra de Tomás de Aquino estar sendo utilizada, por pensadores neotomistas e de outras correntes do pensamento, para refletir e combater os erros “filosóficos da modernidade”.[29] Como bem salientou o Papa Leão XIII a “sociedade civil se encontra em grave perigo”.[30] E esse perigo é oriundo de um grande número de doutrinas “cheias de erros e falácias”,[31] as quais caem no “absurdo de afirmar que a distinção do verdadeiro e do falso não conduz à perfeição da inteligência”.[32] Entre essas doutrinas é possível citar, por exemplo, o positivismo científico, o marxismo, o anarquismo e o relativismo cultural. Para combater esses erros e restaurar a saudável diferença entre a verdade e a falsidade é preciso ter em mente que o corpus tomista é uma grande fonte “para a refutação dos erros dominantes”[33] na sociedade.

Como visto anteriormente, o corpus tomista foi composto em latim. Por isso, para haver uma autêntica leitura de Tomás e, posteriormente, uma aplicação dessa leitura ao processo de crítica e refutação dos erros doutrinários da modernidade, é preciso haver domínio, pelo menos parcial, do latim. Em grande medida, um pesquisador que deseje realizar uma séria crítica — alicerçado em Tomás de Aquino — as ideologias que povoam o imaginário moderno, deverá ter certa compreensão da língua latina.

É preciso ter em mente que as sete explicações que foram apresentadas não esgotam o debate em torno da importância do latim para os estudos tomistas. Em certa medida, ser tomista ou pelo menos simples leitor de Tomás de Aquino implica em também ser um estudioso do latim.

Por fim, afirma-se que há uma relação de mão dupla em torno do debate entre Tomás de Aquino e o latim. De um lado, Tomás de Aquino, com sua vasta obra, permitiu um reavivamento do latim, tanto no século XIII, época em que viveu, como também ao longo de toda a história das ideias. Do outro lado, a preocupação que os estudos tomistas devem sempre ter com o latim, contribui para que essa língua sempre esteja no centro das preocupações investigativas e, com isso, não seja uma língua morta.

 

Publicado em:

(Revista Lumen Veritatis. Vol. 5. Nº 18. Janeiro-Março de 2012. p. 107-114).

 


[1] Doutor em estudos da linguagem pela UFRN, professor do Departamento de Filosofia e do Programa de Pós-Graduação em Letras da UERN. E-mail: [email protected].

[2] PAPA JOÃO XXIII. Constituição Apostólica Veterum Sapientia. Sobre o uso do Latim, n. 3. AAS … (Tradução minha) Quarum in varietate linguarum ea profecto eminet, quae primum in Latii finibus exorta, deinde postea mirum quantum ad christianum nomen in occidentis regiones disseminandum profecit. Siquidem non sine divino consilio illud evenit, ut qui sermo amplissimam gentium consortionem sub Romani Imperii auctoritate saecula plurima sociavisset, is et proprius Apostolicae Sedis evaderet et, posteritati servatus, christianos Europae populos alios cum aliis arto unitatis vinculo coniungeret.

Suae enim sponte naturae lingua Latina ad provehendum apud populos quoslibet omnem humanitatis cultum est peraccommodata: cum invidiam non commoveat, singulis gentibus se aequabilem praestet, nullius partibus faveat, omnibus postremo sit grata et amica. Neque hoc neglegatur oportet, in sermone Latino nobilem inesse conformationem et proprietatem; siquidem loquendi genus pressum, locuples, numerosum, maiestatis plenum et dignitatis  habet, quod unice et perspicuitati conducit et gravitati.

[3] PAPA JOÃO XXIII. Constituição Apostólica Veterum Sapientia. Sobre o uso do Latim, n. 9. Neque vero cuique in dubio esse potest, quin sive Romanorum sermoni sive honestis litteris ea vis insit, quae ad tenera adulescentium ingenia erudienda et conformanda perquam apposita ducatur, quippe qua tum praecipuae mentis animique facultates exerceantur, maturescant, perficiantur ; tum mentis sollertia acuatur iudicandisque potestas; tum puerilis intellegentia aptius constituatur ad omnia recte complectenda et aestimanda; tum postremo summa ratione sive cogitare sive loqui discatur.

[4] BRUNO, H. Latim e formação linguística. In: Alfa, Revista de Linguística, São Paulo, n. 34, 1990, p. 70.

[5] BRUNO, H. Latim e formação linguística. op., cit, p. 69.

[6] ESTUDANTES BRASILEIROS CONSTROEM UM SITE ESCRITO EM LATIM. In: ITTA Notícias. Disponível em http://ittanoticias.arautos.org/?p=1416. Acessado em 15/08/2011.

[7] PAPA JOÃO XXIII. Constituição Apostólica Veterum Sapientia. Sobre o uso do Latim, n. 5.

[8] PAPA JOÃO XXIII. Constituição Apostólica Veterum Sapientia. Sobre o uso do Latim, n. 2.

[9] PAPA JOÃO XXIII. Constituição Apostólica Veterum Sapientia. Sobre o uso do Latim, n. 5.

[10] PAPA JOÃO XXIII. Constituição Apostólica Veterum Sapientia. Sobre o uso do Latim, n. 6.

[11] BORTOLANZA, J. O latim e o ensino de português. In: Revista Philologus, Rio de Janeiro: set./dez. 2000, n. 18, p. 77-85.

[12] PAPA PIO XII. Mediator Dei. Sobre a sagrada liturgia, n. 173-174; 177. AAS [citar a Acta Apostolicae Sedis] ; PAPA BENTO XVI. Carta Apostólica em forma de Motu Próprio Summorum Pontificum, n. 1 e 3. Tradução portuguesa pela CNBB. São Paulo: Paulinas, 2011.

[13] SANTO, A. E. A estética barroca do latim da Clavis Prophetarum do P. António Vieira. In: Ágora, Estudos Clássicos em Debate, n. 1, 1999, p. 105-131.

[14] MARTINS, M. C. S. Configuracionalidade em latim clássico e latim vulgar. Tese de Doutorado. Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Estudos da Linguagem, 2002.

[15] DANIEL, O. [et al]. Propostas para padronização da terminologia empregada em sistemas agroflorestais no Brasil. In: Revista Árvore, Viçosa, v. 23, n. 3, p. 367-370, 1999.

[16] FAITANIN, P. A Filosofia Tomista. In: Aquinate, Niterói, n. 3, 2006, p. 133-146; FAITANIN, P. O que é tomismo? In: Instituto Aquinate, 2010. Disponível em http://www.aquinate.net/portal/Tomismo/Tomismo-significado/tomismo-significado3edicao.htm. Acessado em 16/03/2010.

[17] ELÍAS DE TEJADA, F. Porque somos tomistas: da Teologia à Política. Comunicação apresentada ao Convegno di Studi per la celebrazione di San Tommaso d’Aquino nel VII Centenario, realizado em Gênova em 1974. In: Hora Presente, ano VI, n. 16, São Paulo, setembro de 1974, p. 93-103.

[18] DIAS, J. C. Por que ser tomista? In: Lumen Veritatis, Revista de Inspiração Tomista, n. 1, outubro/dezembro 2007.

[19] DOCKHORN, N. O latim de Tomás de Aquino, 2011, p. 3-7. Disponível em http://www.filologia.org.br/ixcnlf/13/10.htm. Acessado em 15/08/2011.

[20] FAITANIN, P. A Sabedoria do Amor. Iniciação à Filosofia de Santo Tomás de Aquino. Niterói: Instituto Aquinate, 2008, p. 20.

[21] VAN ACKER, L. O tomismo e o pensamento contemporâneo. São Paulo: EDUSP, 1983; FABRO, C. Santo Tomás de Aquino: ontem, hoje e amanhã. Entrevista concedida à revista Palabra, n. 103, Madri, março de 1974. In: Hora Presente, ano VI, n. 16, São Paulo, setembro de 1974, p. 246-254.

[22] DOCKHORN, N. O latim de Tomás de Aquino. op., cit, p. 3.

[23] LAUAND, J. Razão, natureza e graça: Tomás de Aquino em Sentenças, 2010, p. 12. Disponível em http://www.hottopos.com/mp3/sentom.htm. Acessado em 15/08/2011.

[24] HIRCHBERGER, J. História da filosofia na Idade Média. São Paulo: Herder, 1966; ADRIANO, J. A razoabilidade da fé: São Tomás e a Escolástica. In: Lumen Veritatis, Revista de Inspiração Tomista, n. 1, outubro/dezembro 2007, passim.

[25] CANCIAN, R. Tomás de Aquino: ciências práticas e especulativas. In: Uol Educação, 2011. Disponível em http://educacao.uol.com.br/filosofia/tomas-de-aquino-ciencias-praticas-e-especulativas.jhtm. Acessado em 15/08/2011.

[26] PAPA LEÃO XIII. Aeterni Patris. Da instauração da filosofia cristã nas Escolas Católicas, segundo a mente de Santo Tomás de Aquino, o Doutor Angélico, n. 36. In: Aquinate, Niterói, n. 12, 2010, p. 117-151.

[27] PAPA LEÃO XIII. Aeterni Patris. Da instauração da filosofia cristã nas Escolas Católicas, segundo a mente de Santo Tomás de Aquino, o Doutor Angélico. op., cit, n. 51.

[28] PAPA PIO X. Moto Próprio Doutor Angélico. Sobre a promoção da doutrina de S. Tomás de Aquino nas escolas católicas, n. 7. In: Aquinate, Niterói, n. 11, 2010, p. 111-120.

[29] ROVIGHI, S. V. História da filosofia contemporânea. São Paulo: Loyola, 2001, p. 649.

[30] PAPA LEÃO XIII. Aeterni Patris. Da instauração da filosofia cristã nas Escolas Católicas, segundo a mente de Santo Tomás de Aquino, o Doutor Angélico. op., cit, n. 51.

[31] PAPA LEÃO XIII. Aeterni Patris. Da instauração da filosofia cristã nas Escolas Católicas, segundo a mente de Santo Tomás de Aquino, o Doutor Angélico. op., cit, n. 16.

[32] PAPA LEÃO XIII. Aeterni Patris. Da instauração da filosofia cristã nas Escolas Católicas, segundo a mente de Santo Tomás de Aquino, o Doutor Angélico. op., cit, n. 17.

[33] PAPA LEÃO XIII. Aeterni Patris. Da instauração da filosofia cristã nas Escolas Católicas, segundo a mente de Santo Tomás de Aquino, o Doutor Angélico. op., cit, n. 56.


 [F1]Parece não ser no final do séc. XVIII

abr 272012
 

Pronomes demonstrativos

TigrisetagnuscordeiroetigrelambandtigerAntes de estudarmos a tabela dos pronomes demonstrativos, é interessante notar que um dos poucos reflexos do gênero neutro latino na língua portuguesa é a terceira forma de demonstrativo: isto, isso, aquilo. Esta forma indefinida pode ser aplicada para qualquer objeto independentemente de seu gênero, ou seja, não é nem masculino, nem feminino; nem um, nem outro; o que originou o gênero: neutrum (Ne utrum…). Passemos à tabela dos demonstrativos, a qual per se dispensa comentários prolixos.

Hic, haec, hoc – este, esta, isto

Singular

Plural

Gênero

M.

F.

N.

M.

F.

N.

N.

Hic

Haec

Hoc

Hi

Haec

Haec

Ac.

Hunc

Hanc

Hoc

Hos

Has

Haec

G.

Huius

Huius

Huius

Horum

Harum

Horum

D.

Huic

Huic

Huic

His

His

His

Ab.

Hoc

Hac

Hoc

His

His

His

Iste, ista, istud – esse, essa, isso

N.

Iste

Ista

Istud

Isti

Istae

Ista

Ac.

Istum

Istam

Istud

Istos

Istas

Ista

G.

Istius

Istius

Istius

Istorum

Istarum

Istarum

D.

Isti

Isti

Isti

Istis

Istis

Istis

Ab.

Isto

Ista

Isto

Istis

Istis

Istis

Ille, Illa, Illud – aquele, aquela, aquilo

N.

Ille

Illa

Illud

Illi

Illae

Illa

Ac.

Illum

Illam

Illud

Illos

Illas

Illa

G.

Illius

Illius

Illius

Illorum

Illarum

Illorum

D.

Illi

Illi

Illi

Illis

Illis

Illis

Ab.

Illo

Illa

Illo

Illis

Illis

Illis

Ipse, ipsa, ipsum – o próprio, a prória

N.

Ipse

Ipsa

Ipsum

Ipsi

Ipae

Ipsa

Ac.

Ipsum

Ipsam

Ipsum

Ipsos

Ipsas

Ipsa

G.

Ipsius

Ipsius

Ipsius

Ipsorum

Ipsarum

Ipsorum

D.

Ipsi

Ipsi

Ipsi

Ipsis

Ipsis

Ipsis

Ab.

Ipso

Ipsa

Ipso

Ipsis

Ipsis

Ipsis

Is, ea, id – ele, ela, aquele, aquela, o que

N.

Is

Ea

Id

Ii

Eae

Ea

Ac.

Eum

Eam

Id

Eos

Eas

Ea

G.

Eius

Eius

Ieus

Eorum

Earum

Eorum

D.

Ei

Ei

Ei

Eis ou iis

Eis ou iis

Eis ou iis

Ab.

Eo

Ea

Eo

Eis ou iis

Eis ou iis

Eis ou iis

Idem, eadem, idem – o mesmo, a mesma

N.

Idem

Eadem

Idem

Iidem

Eaedem

Eadem

Ac.

Eundem

Eandem

Idem

Eosdem

Eaedem

Eadem

G.

Eiusdem

Eiusdem

Eiusdem

Eorundem

Earudem

Eorumdem

D.

Eidem

Eidem

Eidem

Eisdem ou Iidem

Ab.

Eodem

Eadem

Eodem

Eisdem ou Iisdem

 “Hic” equivale ao demonstrativo luso “este”, ou seja, à ideia de proximidade imediata de quem fala e de quem ouve.

“Iste” equivale ao demonstrativo luso “esse”, ou seja, à ideia de proximidade imediata de quem fala, mas não de quem ouve.

“Ille” equivale ao demonstrativo luso “aquele”, ou seja, à ideia de distância tanto por parte de quem fala quanto da parte que ouve.

O conjunto “Ipse, ipsa, ipsum” equivale aos pronomes pessoais “ele, ela”. São usados para evitar repetições na frase de um nome mencionado anteriormente. É questão de estilo. Assim é de fato um “pro-nome”, ou seja, uma palavra que substitui o nome. Por outro lado, o Ipse é mais enfático que o pronome pessoal “is”, visto nas lições anteriores, e pode ser traduzido por “ele próprio”, ou “ele mesmo”.

Os pronomes demonstrativos também se declinam. Um exercício muito interessante é traduzir cada pronome em cada gênero da tabela acima segundo o caso. Veja o modelo abaixo:

Caso

Latim

Português

Singular

Nominativo

Hic

Este (Sujeito da frase)

Acusativo

Hunc

Este (Objeto Direto)

Genitivo

Huius

Deste

Dativo

Huic

Para este

Ablativo

Hac

Por este, com este

Plural

Nominativo

Hi

Estes (Sujeito da frase)

Acusativo

Hos

Estes (Objeto Direto)

Genitivo

Horum

Destes

Dativo

His

Para estes

Ablativo

His

Por estes, com estes

 Mãos à obra!

Uma curiosidade interessante é que alguns latinistas vêem no “Ille, Illa, Illud” a origem remota do pronome pessoal português “Ele e Ela”.

Em alguns textos, o leitor poderá encontrar a forma “hujus”, mas tanto o latim clássico como o eclesiástico desconhecem a letra “j”, de maneira que em nosso curso, jamais usamos o “j”, que é usado em alguns meios jurídicos nacionais ou estrangeiros.

Uma consolação: não há o caso vocativo nos pronomes demonstrativos…

mar 222012
 

Bodas de Caná, por Veronesse, Museu do Louvre, Paris

Bodas de Caná, por Veronesse, Museu do Louvre, Paris

Curiosidades: Nomes de alimentos e utensílios de mesa em Latim

Como se diz o nome de certos alimentos e utensílios de mesa em latim?

Segundo o Parvum Verborum Novatorum Léxicum, publicado por Cletus Pavanetto, no site do Vaticano, Pizza se diz placenta compressa; um chocolatado, socolāta ou socolatae pótio; um vinho Lambrusco, acre vinum Aemilianum; ou ainda, lasanha, se diz, láganum; macarrão, pasta tubulata; panettone, Mediolanensis placenta. Veja as semelhanças e as diferenças que existe entre o latim e o português.

Em latim

Em português

Cibus, i (m.)

Alimento

Nutrimentum, i (n.)

Cibaria (n.) (sempre plural)

Edulia, ae (f.)

Esca, ae (f.)

Alimentum, i (n.)

Panis, is (m.)

Pão

Caro, carnis (f.)

Carne

Potio, onis (f.)

Bebida

Holus, ou Olus, oleris ( n.)

Legume

Lac, lactis (n.)

Leite

Aqua, ae (f.)

Água

Aqua medicata

Água mineral

Vinum, i (n.)

Vinho

Oleum, i (n.)

Óleo

Sal, salis (m.)

Sal

Mel, mellis (n.)

Mel

Prandium, ii (n.)

Almoço, às vezes, desjejum

Cena, ae (f.)

Jantar

Epulae, arum (f.) (somente plural)

Refeição

Convivium, ii (n.)

Banquete

Triclinium, i (n.)

Sala de Jantar

Mensa prima

Do início à sobremesa

Mensa secunda

A sobremesa

Mappa, ae (f.)

Toalha

Matele ou Matile, is (n.)

Guardanapo

Ientaculum, i (n.)

Almoço

Comissatio, onis

Festim

Merenda ou antecenium

Merenda ou lanche

Antecena ou Caput cenae

Primeiro prato do jantar

Bucea, ae (f.)

Bocado

Bucella, ae (f.)

Bocadinho

Libum, i (n.)

Bolo

Mica, ae (f.)

Migalha do pão

Pulmentum, i (f.)

Sopa

Cyathus, i (m.)

Copo ou Taça

Calix, calicis (m.)

Póculum, i (n.)

Scyphus, i (m.)

Cálathus, i (m.)

Antigo recipiente muito semelhante ao nosso copo

Pocillum, i (n.)

Copinho

Patina, ae (f.)

Prato

Lanx, lancis (f.)

Férculum, i (n.)

Patella, ae (f.)

Pires

Catillus, i (m.)

Catínus(m), i (m. e n.)

Tigela

Scutella,a e (f.)

Gábata

Tympano, i (n.)

Fruteira, compoteira

Phíala, ae (f.)

Garrafa

Salinum, i (n.)

Saleiro

Minister mensis

Servidor da mesa ou servente ou garçon

Escarum ordo, ordinis (m.)

Cardápio

Cuter, tri (m.)

Faca

BOdas de Canaa - MET!

Artigos relacionados

Conversando em latim

Conversando em latim

Curso Básico de Latim

Curso Básico de Latim

mar 152012
 

Curso de latim: tabela dos pronomes pessoais

Curiosidade: o que é um pronome?

Pronome é a palavra que vem em lugar do nome. Concorda com este em gênero e número. Os pronomes pessoais correspondem às pessoas gramaticais e por meio deles devemos orientar o tratamento. Uma tabela dispensa longas e minuciosas explicações. Oferecemos hoje uma tabela com os pronomes pessoais do latim. Veja a semelhança com nossa língua portuguesa!

Primeira pessoa

Segunda pessoa

Singular

Caso

Em latim

Tradução

Em latim

Tradução

N Ego Eu Tu Tu
Ac. Me Me Tu Tu
G. Mei De mim Tui De ti
D. Mihi A mim, me Tibi A ti, te
Ab. Me Por mim Te Por ti

Plural

N. Nos Nós Vos Vós
Ac. Nos Nos Vos Vos
G. Nostrum De nós Vestrum De vós
D. Nobis A nós, nos Vobis A vós, vos
Ab Nobis Por nós Vobis Por vós

Terceira pessoa ou pronome reflexivo

N Não existe porque sempre é complemento
Ac. Se Se
G. Sui De si, dele, dela, deles, delas
D. Sibi A si, se, lhe, lhes
Ab. Se Por si, por ele, por ela, por eles, por elas

Note que o Mihi é pronunciado mirri na pronúncia clássica ou reconstituída, ou miqui na pronúncia eclesiástica.

O caso vocativo não se diferencia do nominativo. Eis a razão pela qual achamos conveniente não inserí-lo na tabela.

Para exercitar, oferecemos a Ave Maria em latim com os pronomes pessoais marcados em negrito:

Maria_Nossa_Senhora_Santa_Fotos_Jose_Ribeiro_da_Silva_Arautos_BrasilAve Maria, gratia plena
Dominus tecum
Benedicta tu in mulieribus
Et benedictus fructus ventris tui Jesus.
Sancta Maria, Mater Dei,
Ora pro nobis peccatoribus
Nunc et in hora mortis nostrae
Amen.

mar 062012
 

Ao passear pelo jardim de casa deparei-me com a cena que o leitor agora contempla.

ninho_passarinho_filhotes

Nidus (ninho em latim)

Pus-me a pensar sobre o mistério da vida que se encerra de modo admirável nessa singela imagem: fragilidade dos filhotes harmônica e aparentemente contraditória com grandeza da vida criada por Deus. Que maravilha!

Os passarinhos em sua fragilidade nos inspiram compaixão. Eles não têm senão um único desejo, viver, ou melhor, sobreviver. Querem comer, crescer e voar. Para isso foram criados. Nisso eles encontram sua felicidade. Quem os ensinou? Ninguém. Não há mestre capaz de ensiná-los senão o Mestre dos mestres. Que instintos ordenados o Criador deu a tão diminutos animais. Compaixão, fragilidade e grandeza. Eis o que se pode ver num ninho. Decidi então recolher nesse post alguns pensamentos dispersos, pouco elaborados. Talvez ainda mais simples que o ninho…

O ninho é essencialmente simples, mas encerra especial beleza. Os latinistas procuraram exprimir essa excelência de diversas formas: “cuique nidus formosus ubique”, “o ninho é formoso para qualquer um e em qualquer lugar”, ou ainda, de modo mais jocoso: “est avi cuique nidus formosus ubique”, que se pode traduzir: “para cada pássaro, seu próprio ninho é sempre belo”. (Há também outra fórmula para o mesmo pensamento: Omni avi, suus nidus pulcher).

Movido pela atratividade dos ninhos e pela curiosidade bíblica, pesquisei algumas passagens do Livro Inspirado a fim de partilhar com o leitor alguns pensamentos. O Deuteronômio dá um curioso conselho a quem porventura encontrar um ninho como esse:  “Se encontrares no caminho, sobre uma árvore ou na terra, o ninho de uma ave, e a mãe posta sobre os filhotes ou sobre os ovos, não a apanharás com os filhotes. Deixarás partir a mãe e só tomarás os filhotes, para que se prolonguem os teus dias felizes”. Em latim: “Si ambulans per viam, in arbore vel in terra nidum avis inveneris et matrem pullis vel ovis desuper incubantem, non sumes eam de filiis, sed abire patieris matrem tenens filios, ut bene sit tibi, et longo vivas tempore” (Dt 22,6-7) .

Na Escritura o ninho é símbolo do aconchego e da segurança: “Si exaltatus fueris ut aquila et si inter sidera posueris nidum tuum, inde detraham te “, dicit Dominus” (Ab 1,4); “Vae, qui congregat lucrum iniustum in malum domui suae, ut ponat in excelso nidum suum et salvet se de manu mali!” (Hab 2,9); “Quis credit ei, qui non habet nidum et deflectens ubicumque obscuraverit, quasi succinctus latro exsiliens de civitate in civitatem?” (Eclo 36, 28).

Aliás, o livro dos Provérbios nos lembra que não convém ao homem ficar sem segurança, errante como uma ave que transmigou: Sicut avis transmigrans de nido suo, sic vir errans longe a loco suo (Pv 27,8).

Tal como as aves, também o homem tem um céu para voar. Ele tende à procura da felicidade. É o nosso instinto e para isso fomos criados. Mas esse desejo incessante e fortíssimo da alma humana só se realiza em algo que é infinito. Por isso nossa felicidade só é plena ao colocar nossa segurança em Deus, como os passarinhos do salmo de Davi que constroem os seus ninhos no Templo do Senhor: “Etenim passer invenit sibi domum, et turtur nidum sibi, ubi ponat pullos suos: altaria tua, Domine virtutum, rex meus et Deus meus” (Sl 84,4).

É para essa felicidade o que Jesus Cristo, Senhor Nosso, convida cada um de nós, ao nos atrair para o ninho de segurança, afeto e bem-querença infinita que é o seu Sagrado Coração: “quotiens volui congregare filios tuos, quemadmodum avis nidum suum sub pinnis” (Mt 13,34).

Latine

fev 272012
 

Roma (Quinta-feira, 23-02-2012, Gaudium Press) O latim é de vital importância para a formação e a vida do clero do século XXI. Esta é a ideia central da intervenção que secretário da Congregação para o Clero, Dom Celso Morga, preparou para uma jornada de estudos que terá lugar nesta quinta-feira, 23, na Universidade Pontifícia Salesiana, em Roma. O evento comemorará os 50 anos da Constituição Apostólica “Veterum Sapientia” de João XXIII, que descreve a importância do latim nos seminários e na vida dos sacerdote, e será presidido pelo Cardeal Zenon Grocholewski.

Dom Celso Morga.jpg
Dom Celso Morga, secretário da
Congregação para o Clero

Em entrevista à Rádio Vaticano, Dom Celso adiantou algumas ideias que serão expostas em sua reflexão de hoje. “Não podemos perder esta grande riqueza que nos vem nesta língua, nelas temos muito da literatura patrística, sobretudo dos padres ocidentais”, afirmou inicialmente o prelado, que citou como exemplo os escritos de Santo Agostinho e Santo Ambrósio, recordando também as obras dos doutores medievais, como São Tomás de Aquino e São Alberto Magno, referências fundamentais da teologia, e a produção teológica dos séculos posteriores, que foi escrita quase exclusivamente em latim até o século passado.”Portanto, se queremos ir às fontes de nosso saber filosófico e teológico, sem intermediário, sem necessitar de traduções, temos que saber latim. Não podemos depreciar esta língua”, asseverou.

Perante os desafios da globalização e a relação com as línguas e culturas dominantes, Dom Morga descreveu a possibilidade de mútuo enriquecimento. “Entrar em diálogo com estas culturas diferentes da nossa não quer dizer perder nossa própria identidade, quer dizer entrar de igual a igual e saber expôr nossa riqueza para também reconhecer a riqueza das outras culturas”, explicou o secretário.

Segundo Dom Morga, este intercambio de riquezas foi precisamente o que construiu a cultura e a identidade ocidentais, nas quais a influência cristã está presente não só na filosofia e na teologia, como também nas artes plásticas, na literatura e na música, impregnados de língua e do sentir da Igreja.

Nossa identidade “é de uma riqueza extraordinária e tem uma carga de valores humanos autênticos, como a liberdade, a dignidade da pessoa humana e o valor do trabalho. Tudo isto, que nos vem da latinidade clássica e da Doutrina da Igreja, não se pode perder”, afirmou o prelado.

O secretário da Congregação para o Clero manifestou ainda seu desejo de que esta língua tivera uma presença de vários momentos das celebrações. “Esse era o desejo do Concílio, não que tudo fosse traduzido nas línguas vernáculas, mas sim que se deixasse partes em latim, para que nosso fiéis na esqueçam de todo esta língua”, recordou.

Ademais, com sua ampla experiência em Roma como secretário da Congregação para o Clero, Dom Morga ressaltou a utilidade de contar com uma língua comum nas celebrações internacionais. “Agora mesmo em São Pedro, quando o Papa celebra, a missa é em latim quando se encontram fiéis de distintas línguas. Nossa língua comum é o latim e se reza em latim. Encontrarmos nesta língua comum nos faz bem a todos e nos ajuda a rezar por todos”, concluiu.