set 082012
 

Alunos passaram por um rigoso teste do latim

Cresce a cada ano o número de universitários interessados em ampliar seu horizonte cultural, aprendendo alguma das chamadas “línguas mortas”, dada a sua importância no desenvolvimento da civilização ocidental. No mês de julho, 88 estudantes provenientes de 31 países participaram da quarta edição dos Cursos de Verão de Línguas Clássicas (latim, grego antigo e hebreu) organizados pela Universidade Santa Cruz, em Roma.
O método utilizado para esse aprendizado requer uma utilização vivaz da linguagem, de modo que, não só na sala de aulas, mas também nos intervalos e mesmo durante as refeições, os alunos são convidados a conversar no idioma que está sendo estudado de forma a ficarem totalmente imersos no seu espírito.
Nos cursos da Universidade Santa Cruz, nota-se uma grande variedade no nível de manejo dessas línguas. Ouvindo certos estudantes, por exemplo, tem-se a impressão de escutar um discurso de algum grande orador clássico; outros, ao contrário, falam com a dificuldade de quem está dando os primeiros passos.

(Revista Arautos do Evangelho. Aumenta o interesse em estudar línguas clássicas. Ano XI, nº 129, Setembro 2012. p. 43).

jun 152012
 

Orações para decorar as declinações e os casos latinos

OracaoEspiritodeOracaoMaospostasjuventuderezandoprayersboypraymeninorezandoA oração ajuda o aprendizado. Selecionamos algumas trechos de orações famosas do catolicismo como a doxologia conhecida como “Glória ao Pai”, ou ainda alguns trechos do Confíteor e do Pai Nosso em latim, no qual poderemos aprender as declinações dos cinco casos latinos. Basta rezar essas orações diariamente e procurar reter os casos que elas apresentam, e assim, aprenderemos rezando e rezaremos para aprender.

Observação Importante: Os números indicam a que declinação a palavra pertence.

Vocativo (Só existe diferenças na segunda declinação)

 Domine Fili, unigenite, Jesu Christe, Domine Deus (Trecho do Glória catado na Missa de Domingo)

Genitivo (Singular)

 In nomine Patris3, et Filii2, et Spiritus4 Sancti2. (Sinal da cruz). Para a primeira declinação basta lembrar de Nossa Senhora: (In nomine Mariae1).

Deus qui corda fidelium3; Patrum3 nostrorum2 et Matrum3 nostrarum1 manuum4 tuarum1; prima lux diei5; calor dierum5

 Dativo (Singular)

 Gloria Patri3, et Filio2, et Spiritui4 Sancto2 (Trecho do Glória ao Pai). Para a primeira declinação: (Gloria Mariae1)

Sanctis2 Patribus3 filiis sanctis1 e 2 cum spiritibus4 angelicis2 ; diei5 sanctorum omnium (Expressões do Ofício Divino)

 Ablativo (Singular)

Quia peccavi nimis cogitatione3, verbo2, opere3, et omissione3, mea1 culpa1, mea culpa, mea máxima culpa (Trecho do Confíteor).

Et cum Spiritu4 tuo (Resposta da missa em latim)

Die5

 Ablativo e Dativo (Plural)

Sicut dimittimus debitoribus3 e 4 nostris1 e 2 (Trecho do Pai Nosso).

In diebus5 nostris2 (Oração privada)

Acusativo

 Emitte spiritum4 tuum2; et renovabis faciem3 terrae (Jaculatória ao Espírito Santo)

 Carpe Diem5 (Ditado romano com significado hedonista: “aproveia o dia”)

Mariam1 semper virginem3 intercetionem3 (Trecho de uma antiga oração a Nossa Senhora presente no Ofício Divino)

Da mihi virtutem3 contra hostes3 tuos2 (Jaculatória pedindo força contra as tentações e ciladas do demônio)

Condede nos famulos2 tuos (Início de uma oração a Nossa Senhora)

17_Seminaristas_evangelization_17_IMG_0584

Seminaristas dos Arautos do Evangelho revezam-se em adoração perpétua ao Santíssimo Sacramento em uma das capelas da Basílica Nossa Senhora do Rosário na Grande São Paulo, Brasil

jun 092012
 

Pronomes relativos em latim

 Antes de qualquer explicação, oferecemos a tabelas dos pronomes relativos.

 

Singular

Plural

N.

Qui

Quae

Quod

Qui

Quae

Quae

Ac.

Quem

Quam

Quod

Quos

Quas

Quae

G.

Cuius

Cuius

Cuius

Quorum

Quarum

Quorum

D.

Cui

Cui

Cui

Quibus ou queis

Ab.

Quo

Qua

Quo

Quibus ou queis

O pronome relativo concorda com o antecedente apenas em gênero e número. O caso em que estará dependerá da função que estiver exercendo na oração por ele iniciada. Exemplos:

Curso de latim_Niño Jesús aprende a leer - Ig. S. Rita_Niza_Nice_France

Menino Jesus aprendendo a ler, Nice, França

O qui está no singular masculino porque sucede e corresponde à palavra discipulus. O qui está no nominativo porque é o sujeito do verbo amat.

Puer cui libros dedi, frater tuus est.

O cui (para quem) está no singular masculino porque corresponte à palavra puer, mas não está no nominativo, porque é objeto indireto do verbo dedi (dei).

Servae quarum filiae bonae sunt, beatae semper fuerunt.

O quarum está no plural feminino porque corresponde a servae, mas está no genitivo, porque restringe ou determina quais filiae a frase se refere. As servas, das quais as filhas são boas, sempre foram felizes.

 Oferecemos algumas frases nas quais os leitores podem se esxercitar: 

  1. Homo quem laudo, honestus est.
  2. Puella in qua coronam videmus, filia Petri est.
  3. Discipuli quibus dona dedisti, amici mei sunt.
  4. Pater cuius filii in schola sunt, beatus est.
  5. Bona sunt ea quae Deus nobis est.
jun 012012
 

Tulpe_Tulipa_Tulip_Tuplipe_ Tulipanes silvestres-Apeninos de Emilia Romagna-lampsahde_Italia-GAz-Tulipa_DSCN5056Querela simpatica sed non simplex inter cognitionem Dei per symbologiam et per rationem…

Scisne? (Sic incipimus colloquium in Brasilia)  Quamvis enim aliqui philosophi francogallicae in saeculo XVII-XVIII et germanici supra omnia in saeculo XIX pugna inter symboligiam rationemque discursivam facere voluerunt, quamvis enim etiam et metodologia academica hodierna valorem analogiae despicere, puto quod non est fractio inter eas sensu commune. Etenim, ipsa via rationale necesse est de natura exit ut inveniat Deum.

Quid plura? Sacra Scriptura, in ore Apostoli dixit ad Romanos: “Invisibilia enim ipsius a creatura mundi per ea, quae facta sunt, intellecta conspiciuntur, sempiterna eius et virtus et divinitas, ut sint inexcusabiles” (Rm 1,20); et iterum, in verba poetica: “Caeli enarrant gloriam Dei, et opera manuum eius annuntiat firmamentum. Dies diei eructat verbum, et nox nocti indicat scientiam. Non sunt loquelae neque sermones, quorum non intellegantur voces:  in omnem terram exivit sonus eorum, et in fines orbis terrae verba eorum” (Sl 19,1-5).

Praeteriea, ipsa veritas est fundamentalis, quam Scriptura et Traditio docere et celebrare non desinunt, mundum ad Dei gloriam conditum esse. Deus omnia creavit, explicat sanctus Bonaventura non propter gloriam augendam, sed propter hominibus gloriam manifestandam et propter gloriam Suam communicandam.Deus bonitate Sua et omnipotenti virtute non ad augendam Suam beatitudinem nec ad acquirendam, sed ad manifestandam perfectionem Suam per bona hominibus, quae creaturis impertitur, liberrimo consilio simul ab initio temporis utramque de nihilo condidit creaturam, spiritualem et corporalem. Gloria Dei est ut haec manifestatio et haec communicatio Suae bonitatis, propter quas mundus creatus est, in rem ducantur.

Exemplum gratiae exercitii huius contemplationis est quod Sanctus Franciscus dixit in italiano antiquo. Scribo hic ut placeat tibi, o lector, quomodo placuit mihi:

Altissimo, onnipotente, bon Signore,
tue so’ le laude, la gloria e l’honore et onne benedictione.

Ad te solo, Altissimo, se konfano
et nullu homo ène dignu te mentovare.

Laudato sie mi’ Signore, cum tucte le tue creature,
spetialmente messor lo frate sole,
lo qual è iorno et allumini noi per lui.
Et ellu è bellu e radiante cum grande splendore,
de te, Altissimo, porta significatione.

Laudato si’ mi’ Signore, per sora luna e le stelle,
in celu l’ài formate clarite et pretiose et belle.

Laudato si’ mi’ Signore, per frate vento
et per aere et nubilo et sereno et onne tempo,
per lo quale a le tue creature dai sustentamento.

Laudato si’ mi’ Signore, per sora aqua,
la quale è multo utile et humile et pretiosa et casta.

Laudato si’ mi Signore, per frate focu,
per lo quale ennallumini la nocte,
et ello è bello et iocundo et robustoso et forte.

Laudato si’ mi’ Signore, per sora nostra matre terra,
la quale ne sustenta et governa,
et produce diversi fructi con coloriti flori et herba.

Laudato si’ mi’ Signore, per quelli ke perdonano per lo tuo amore,
et sostengo infirmitate et tribulatione.

Beati quelli ke ‘l sosterrano in pace,
ka da te, Altissimo, sirano incoronati.

Laudato si’ mi’ Signore per sora nostra morte corporale,
da la quale nullu homo vivente pò skappare.
guai a quelli ke morrano ne le peccata mortali,
beati quelli ke trovarà ne le tue santissime voluntati,
ka la morte secunda no ‘l farrà male.

Laudate et benedicete mi’ Signore’ et ringratiate
et serviateli cun grande humilitate.

Sicut pulchritudo ad oculos, odoramentum ad nasum, musica ad aures est canticum Francisci ad intellectum… Ipsa est Schola Spiritualis Evangelii Praeconum: inter logicam et analogiam contemplationis harmonia efficit. Spritualitas non tantum Praeconum sed supra omnia Ecclesia Catholica est, et non solum Ecclesia. Ipse principium religionis naturalis secundum quod dixit Sanctus Thomas in Summa contra gentiles, in capitulo 34: quod ea quae dicuntur de Deo et creaturis dicuntur analogice:

1. Sic igitur ex dictis relinquitur quod ea quae de Deo et rebus aliis dicuntur, praedicantur neque univoce neque aequivoce, sed analogice: hoc est, secundum ordinem vel respectum ad aliquid unum. Quod quidem dupliciter contingit: uno modo, secundum quod multa habent respectum ad aliquid unum: sicut secundum respectum ad unam sanitatem animal dicitur sanum ut eius subiectum, medicina ut eius effectivum, cibus ut conservativum, urina ut signum. Alio modo, secundum quod duorum attenditur ordo vel respectus, non ad aliquid alterum, sed ad unum ipsorum: sicut ens de substantia et accidente dicitur secundum quod accidens ad substantiam respectum habet, non quod substantia et accidens ad aliquid tertium referantur. Huiusmodi igitur nomina de Deo et rebus aliis non dicuntur analogice secundum primum modum, oporteret enim aliquid Deo ponere prius: sed modo secundo.
2. In huiusmodi autem analogica praedicatione ordo attenditur idem secundum nomen et secundum rem quandoque, quandoque vero non idem. Nam ordo nominis sequitur ordinem cognitionis: quia est signum intelligibilis conceptionis. Quando igitur id quod est prius secundum rem, invenitur etiam cognitione prius, idem invenitur prius et secundum nominis rationem et secundum rei naturam: sicut substantia est prior accidente et natura, inquantum substantia est causa accidentis; et cognitione, inquantum substantia in definitione accidentis ponitur. Et ideo ens dicitur prius de substantia quam de accidente et secundum rei naturam et secundum nominis rationem. Quando vero id quod est prius secundum naturam, est posterius secundum cognitionem, tunc in analogicis non est idem ordo secundum rem et secundum nominis rationem: sicut virtus sanandi quae est in sanativis, prior est naturaliter sanitate quae est in animali, sicut causa effectu; sed quia hanc virtutem per effectum cognoscimus, ideo etiam ex effectu nominamus. Et inde est quod sanativum est prius ordine rei, sed animal dicitur per prius sanum secundum nominis rationem. Sic igitur, quia ex rebus aliis in Dei cognitionem pervenimus, res nominum de Deo et rebus aliis dictorum per prius est in Deo secundum suum modum, sed ratio nominis per posterius. Unde et nominari dicitur a suis causatis.

Itaque, puto non habere fractionem inter symbologiam rationemque. Ergo neutrum irrationalis est, quia cognitio Dei figura poetica vel rationale semper analogice sunt.

Marcos Eduardo Melo dos Santos

Revisão: F. Araújo

maio 232012
 

O Veni  Sancte Spiritus, que se traduz como “Vem, ó Santo Espírito”, é a sequência da Missa Solene de Pentecostes. Essa belíssima melodia foi composta no século nono, por um sábio monge beneditino, mais tarde Arcebispo de Mainz na Alemanha, chamado Rabano Mauro (750-856 d. C.) Além de ter escrito tratados sobre educação, gramática e comentário bíblicos, Rabano Mauro compôs a sequência da Missa de Pentecostes. No Martyrologium Romanum se celebra a festa de São Rabano Mauro no dia 4 de fevereiro. O Veni Sancte Spiritus também é entoado pelos Cardeais na procissão de entrada do Conclave, momento no qual fazem o escrutínio para a eleição do novo pontífice. Delicie-se com essa lindíssima peça da literatura e da arte medieval cantada na Solenidade de Pentecostes.

Veni Sancte Spiritus (Gregoriano), por Rabano Mauro

Para ouvir, clique aqui.

Veni Sancte Spiritus Gregoriano Partitura

Letra em latim e tradução do Veni Sáncte Spíritus (Gregoriano)
Com acentos para facilitar a pronúncia

Letra em latim

Tradução portuguesa

Veni Sáncte Spíritus,

Et emitte caélitus

Lúcis túae rádium.

Vinde, Espírito Santo,

e enviai do céu

um raio de Vossa luz.

Véni páter páuperum,

Véni dátor múnerum,

Véni lúmen córdium.

Vinde, pai dos pobres,

vinde dispensador dos dons,

vinde luz dos corações.

Consolátor óptime,

Dúlcis hóspes ánimae,

Dúlce refrigérium.

Consolador por excelência,

hóspede da alma,

nosso doce refrigério.

In labóre réquies,

In aéstu tempéries,

In flétu solátium.

No trabalho, sois repouso;

no ardor, sois calma;

no pranto, consolo.

O lux beatíssima,

Réple córdis íntima

Tuorum fidélium.

O luz beatíssima,

penetrai até o fundo do coração

dos que vos são fiéis.

Sine túo númine,

Nihil est in hómine,

Nihil est innóxium.

Sem vossa graça,

nada há no homem,

nada que não lhe seja nocivo.

Láva quod est sórdidum,

Ríga quod est áridum,

Sána quod est sáucium.

Lavai o que é impuro,

fecundai o que é estéril,

ao que está ferido curai.

Flécte quod est rígidum,

Fóve quod est frígidum,

Rége quod est dévium.

Dobrai o rígido,

aquecei o que é frio,

e o que se extraviou, guiai.

Da túis fidélibus,

In te confidéntibus,

Sácrum septenárium.

Dai aos que vos são fiéis

e em vós confiam

os sete dons sagrados.

Da virtútis méritum,

Da salútis éxitum,

Da perénne gáudium.

Ámen.

Dai-lhes o mérito da virtude,

a salvação no termo da vida,

a eterna felicidade.

Amém.

 

Para ter acesso a mais músicas e partituras

Arautos do Evangelho publicam coletânea de Cânticos Gregorianos em latim com tradução portuguesa

 Musica et Lingua latina

maio 162012
 
Liber_Cantualis

O coletânea dos mais belos cânticos gregorianos, que vem a lume sob a coordenação do Pe. Pedro Morazzani, EP, é fruto de décadas do cultivo do gregoriano no dia-a-dia da comunidade religiosa dos Arautos do Evangelho. Cada melodia está acompanhada da partitura e da tradução portuguesa do texto latino.

O gregoriano nasceu na aurora da Idade Média com a compilação de alguns hinos usados pela cristandade primitiva por ordem do Papa São Gregório Magno (590-604). Essa coletânea de cânticos eclesiásticos passou para a História com o nome de canto “gregoriano” em homenagem ao virtuoso Pontífice.

Passados tantos séculos do seu surgimento, o Concílio Vaticano II definiu o gregoriano “como o canto próprio da liturgia romana”, destinado na ação litúrgica ao “primeiro lugar” (Sacrosanctum Concilium, 116). Em razão disso os padres conciliares procuraram estimular os fieis a “cultivar com sumo cuidado o tesouro da música sacra” recomendando de maneira ingente a formação de schola cantorum “nos Seminários, noviciados e casas de estudo de religiosos de ambos os sexos, bem como em outros institutos e escolas católicas” (Idem, 114-115).

Anos mais tarde, o Papa João Paulo II reafirmou essa primazia do gregoriano: “no tocante às composições musicais litúrgicas, faço minha a ‘regra geral’ formulada por São Pio X nestes termos: ‘Uma composição religiosa é tanto mais sagrada e litúrgica quanto mais se aproxima — no andamento, na inspiração e no sabor — da melodia gregoriana; e é tanto menos digna do templo quanto mais se distancia desse modelo supremo” (Quirógrafo de João Paulo II sobre a Música Litúrgica, 12).

Testemunha do relevante papel que a música sacra tem na vida espiritual dos católicos desde os primeiros tempos do cristianismo, Santo Agostinho em uma de suas mais célebres obras, as Confissões, afirmou que o contato com as piedosas melodias litúrgicas das cerimônias presididas por Santo Ambrósio, o ajudaram a encontrar o caminho da Verdade: “Quanto chorei ouvindo vossos hinos, vossos cânticos, os acentos suaves que ecoavam em vossa Igreja! Que emoção me causavam! Fluíam em meu ouvido, destilando a verdade em meu coração. Um grande impulso de piedade me elevava, as lágrimas corriam-me pela face, e me sentia plenamente feliz” (Confessionum, 9, 6: PL 769,14.).

Oficio dominical cantado em estilo gregoriano na Igreja Nossa Senhora do Rosário pertencente aos Arautos do Evangelho de São Paulo, Brasil

Oficio dominical cantado em estilo gregoriano na Igreja Nossa Senhora do Rosário pertencente aos Arautos do Evangelho de São Paulo, Brasil

Movidos pela admiração para com o cântico oficial da liturgia católica os Arautos do Evangelho procuram divulgar em nosso imenso Brasil este inestimável tesouro litúrgico, publicando esta obra que reúne Os mais belos cânticos gregorianos. Que essas melodias ressoem nos templos sagrados do nosso país para o bem espiritual dos fieis e a glorificação de Jesus Eucarístico, conforme as recentes orientações litúrgicas dadas pelo Papa Bento XVI: “Na arte da celebração, ocupa lugar de destaque o canto litúrgico. […] Enquanto elemento litúrgico, o canto deve integrar-se na forma própria da celebração; consequentemente, tudo – no texto, na melodia, na execução – deve corresponder ao sentido do mistério celebrado, às várias partes do rito e aos diferentes tempos litúrgicos. Enfim, embora tendo em conta as distintas orientações e as diferentes e amplamente louváveis tradições, desejo – como foi pedido pelos padres sinodais – que se valorize adequadamente o canto gregoriano, como canto próprio da liturgia romana” (Sacramentum Caritatis, 42).

O livro contem 282 páginas e é publicado em São Paulo pelos Arautos do Evangelho com o apoio da Editora Lumen Sapientiae.

Para visualizar partes do livro, clique aqui.

Faça já o seu pedido ao Instituto Lumen Sapientiae!
Rua Dom Domingos de Sillos, n° 238
CEP: 02526-030 – São Paulo -SP
(11) 4419-2311
Endereço eletrônico: [email protected]

maio 062012
 

Concedei-me

Oração composta e rezada diariamente por São Tomás[2]

São Tomás de Aquino[3]

São Tomás de Aquino

São Tomás de Aquino

 

 Concedei-me [1], Deus misericordioso,

que aquilo que vos agrada:

ardentemente desejar,

prudentemente investigar,

sinceramente apreciar,

perfeitamente consumar.

 

Para louvor e glória de vosso nome:

ordenai minha vida,

fazei-me compreender o que quereis de mim,

ajudai-me a cumprir o que é necessário

e o que seja útil para a minha alma.

 

Que a Vós, Senhor, minha via seja segura e completa,

sem esmorecer nas prosperidades ou adversidades,

para que Vos renda graças nas prosperidades,

e mantenha a paciência nas adversidades,

não me deixando exaltar por aquelas,

nem me desanimando por estas.

 

Que não me alegre em nada que não me leve a Vós,

tampouco me entristeça, exceto quando afastado de Vós,

a ninguém desejando comprazer, ou temer desagradar, salvo a Vós.

Que as coisas passageiras a mim se aviltem por Vós,

estimadas todas as vossas coisas me sejam, mas Vós,

ó Deus, mais que tudo.

 

Que me causem desgosto todas as alegrias sem Vós,

nada desejando além de Vós.

Que me deleite o trabalho para Vós,

e tedioso o repouso sem Vós.

Dai-me constantemente um coração por Vós elevado,

com dor e propósito de emenda por minhas faltas, ponderado.

 

Fazei-me, meu Deus:

humilde sem ficção,

alegre sem dissipação,

sério sem depressão,

oportuno sem opressão,

ágil sem frivolidade,

veraz sem duplicidade,

temendo-vos sem desesperação,

confiante sem presunção,

corrigindo o próximo sem pretensão,

edificando-o pela palavra

e pelo exemplo sem ostentação,

obediente sem contradição,

paciente sem murmuração.

 

Dai-me, ó dulcíssimo Deus, um coração:

vigilante, distanciando-se de Vós qualquer curiosa cogitação,

nobre, às vilezas, isento de indigna afeição,

invencível, que não o fraqueje nenhuma tribulação,

íntegro, que não o seduza nenhuma violenta tentação,

reto, que não o desvie nenhuma perversa intenção.

 

Concedei-me, Senhor meu Deus:

uma inteligência para vos conhecer,

um amor para vos buscar,

uma sabedoria para vos encontrar,

um convívio para vos agradar,

uma perseverança fiel para vos esperar,

e, por fim, uma confiança para vos abraçar.

 

Que eu seja transpassado por vossas penas pela penitência,

que no caminho seja agraciado por vossos benefícios pela graça,

e gozar de vossas alegrias na Pátria pela glória.

Amém.

 

Texto latino 

Explicação prévia para os iniciantes em latim – algumas curiosidades

São Tomás de Aquino, pintura na Igreja Nossa Senhora do Rosário, em São Paulo, Brasil

São Tomás de Aquino, pintura na Igreja Nossa Senhora do Rosário, em São Paulo, Brasil

O texto abaixo exige algumas explicações prévias para os iniciantes no latim:

Em primeiro lugar, tal como o latim clássico, o medieval desconhecia a diferença entre as letras “v” e “u”. Assim, o leitor poderá estranhar que em lugares nos quais se pensaria ser correto um “v”, teremos um “u”. O iniciante deve habituar-se em distinguir a diferença entre “u-v” e “u-u” para a compreensão do texto ao se ler os escritos antigos. Eis um exercício interessante para os leitores que um dia pretendem ler tais manuscritos…

Em segundo lugar, o pronome “mihi” está grafado de uma forma diferente da que estamos habituados: “michi”. Esse pormenor evidencia que a pronúncia feita por alguns eclesiásticos: “miki”, em vez de “mirri” ou “mii”, não é de modo algum infudada. Como dissemos, existe grande variedade na pronúncia dessa partícula por parte dos latinistas.

Em terceiro lugar, há a variante “mee” em vez de “meae”, não julgue o leitor que seria um erro de transcrição. Essa variante ocorria com frequencia no latim medieval.

O último pormenor interessante do latim medieval transcrito abaixo é que se escreve “ylarem”, com “y” grego, e não “hilarem”, como nos textos eclesiásticos atuais. Assim, na Idade Média se escrevia “Ystoria”, em vez de “Historia”, “Ylarem”, em vez de “Hilarem”. Eis outra particularidade interessante do latim medieval.

Além de notar essas particularidades, o leitor poderá degustar a poesia latina nessa oração, que demonstra como São Tomás não era apenas um filósofo a falar de Deus em termos abstratos. Muito pelo contrário, se percebe um coração cheio de entusiasmo, equilíbrio e humildade, além de um invulgar senso poético e métrico. Esse modo de escrever – digno de se enquadrado numa melodia gregoriana – é realmente cativante. Experimento o leitor!

 

Oratio quam fecit beatus Thomas

Concede michi misericors Deus

qui tibi piacita sunt ardenter concupiscere,

prudenter  inuestigare,

ueraciter agnoscere

et perfecte implere.

Ad laudem et gloriam nominis tui ordina statum meum,

et quod a me requiris tribue ut sciam,

et da ex equi ut oportet et expedit anime mee.

Via mea, Domine, ad te tuta sit, recta et consummata,

non deficiens iriter prospera et aduersa,

ut in prosperis tibi gratiam referam 

et in aduersis seruem patientiam,

ut  in illis non extollar et in  istis  non deprimar; 

de nullo gaudeam nisi quod promoueat me apud te,

nec de aliquo doleam nisi quod abducat me a te; 

nulli  piacere appetam uel displicere timeam nisi te.

 Vilescant michi omnia transitoria propter te,

et cara sint michi omnia tua

et tu Deus super quam omnia.

Tedeat me omnis gaudii quod est sine te

nec cupiam aliquid quod est extra te.

Delecte me labor qui est pro te;

et tediosa sit michi omnis quies que non est in te.

Frequenter da me cor meum ad te dirigere,

et defectionem meam cum emendationis proposito dolendo pensare.

Fac me, Deus meus,

humilem sine fictione,

ylarem sine dissolutione, 

tristem sine deiectione,

maturum sine grauiture,

agilem sine leuitate,

ueracem sine duplicitate,

te timentem sine desperatione,

sperentem sine presumptione,

proximum corrigere sine simulatione,

ipsum edificare uerbo et exempio sine elatione,

obedientem sine contradictione,

patientem sine murmuratione.

Da michi,dulcissime Deus,

cor peruigil quod nulla abducat a te curiosa cogitatio; 

da nobile quod nulla deorsum trahat indigna affectio; 

da in uictum quod nulla fatiget tribulatio; 

et da liberum quod nulla sibi uendicet uiolenta temptatio; 

et da rectum  quod nulla obliquet sinistra intentio.

Largire michi, Domine Deus meus, 

intellectum  te  cognoscentem,

diligentiam te querentem,

sapientiam te inuenientem,

conuersationem tibi placentem,

perseuerantiam te fideliter expectantem,

et fiduciam  te finaliter amplectentem; 

tuis penis configi per penitentiam, 

tuis beneficiis uti  in uia per gratiam,

et tuis gaudiis in patria frui per gloriam. Amen.

 

Por vezes o Doutor Angélico é representado na iconografia com asas

Por vezes o Doutor Angélico é representado na iconografia com asas


[1] Texto latino da oração Concede michi extraído de: Guilelmus de Tocco. Ystoria sancti Thome de Aquino, cap. 29. In: Ibid. Ed. Claire Le Brun-Gouanvic. Toronto: Pontifical Institute of Mediaeval Studies, 1996, p. 156, l. 56-86. Tradução de Diác. Felipe de Azevedo Ramos, EP com ligeiras adaptações para a língua portuguesa. Embora não conste o formato versificado no texto original acima mencionado, optou-se por dividir o texto para melhor compreensão e para destacar o estilo rimado em certas partes do texto de São Tomás de Aquino.

[2]A introdução completa a respeito desta oração se lê em Guilherme de Tocco (cf. op. cit., p. 156, l.53-56): “De quo deuoto et sancto doctore dicitur quod infra scriptam orationem composuit, continentia completam, affectione deuotam et stilo politam, quam omni die dicebat. Oratio quam fecit beatus Thomas, quam omni die dicebat”.

[3]Embora alguns catálogos mencionem esta oração como sendo de dúbia autenticidade, assignamos a autoria a São Tomás por estar inserida na quarta e última revisão do autor da História de São Tomás de Aquinonum trecho dedicado ao tema da contemplação e da oração. Para mais detalhes sobre este texto e sua autenticidade: Cf. Doyle, A. I. A Prayer Attributed to St. Thomas d’Aquinas. Dominican Studies, l, 1948, p. 229-238.

abr 272012
 

Pronomes demonstrativos

TigrisetagnuscordeiroetigrelambandtigerAntes de estudarmos a tabela dos pronomes demonstrativos, é interessante notar que um dos poucos reflexos do gênero neutro latino na língua portuguesa é a terceira forma de demonstrativo: isto, isso, aquilo. Esta forma indefinida pode ser aplicada para qualquer objeto independentemente de seu gênero, ou seja, não é nem masculino, nem feminino; nem um, nem outro; o que originou o gênero: neutrum (Ne utrum…). Passemos à tabela dos demonstrativos, a qual per se dispensa comentários prolixos.

Hic, haec, hoc – este, esta, isto

Singular

Plural

Gênero

M.

F.

N.

M.

F.

N.

N.

Hic

Haec

Hoc

Hi

Haec

Haec

Ac.

Hunc

Hanc

Hoc

Hos

Has

Haec

G.

Huius

Huius

Huius

Horum

Harum

Horum

D.

Huic

Huic

Huic

His

His

His

Ab.

Hoc

Hac

Hoc

His

His

His

Iste, ista, istud – esse, essa, isso

N.

Iste

Ista

Istud

Isti

Istae

Ista

Ac.

Istum

Istam

Istud

Istos

Istas

Ista

G.

Istius

Istius

Istius

Istorum

Istarum

Istarum

D.

Isti

Isti

Isti

Istis

Istis

Istis

Ab.

Isto

Ista

Isto

Istis

Istis

Istis

Ille, Illa, Illud – aquele, aquela, aquilo

N.

Ille

Illa

Illud

Illi

Illae

Illa

Ac.

Illum

Illam

Illud

Illos

Illas

Illa

G.

Illius

Illius

Illius

Illorum

Illarum

Illorum

D.

Illi

Illi

Illi

Illis

Illis

Illis

Ab.

Illo

Illa

Illo

Illis

Illis

Illis

Ipse, ipsa, ipsum – o próprio, a prória

N.

Ipse

Ipsa

Ipsum

Ipsi

Ipae

Ipsa

Ac.

Ipsum

Ipsam

Ipsum

Ipsos

Ipsas

Ipsa

G.

Ipsius

Ipsius

Ipsius

Ipsorum

Ipsarum

Ipsorum

D.

Ipsi

Ipsi

Ipsi

Ipsis

Ipsis

Ipsis

Ab.

Ipso

Ipsa

Ipso

Ipsis

Ipsis

Ipsis

Is, ea, id – ele, ela, aquele, aquela, o que

N.

Is

Ea

Id

Ii

Eae

Ea

Ac.

Eum

Eam

Id

Eos

Eas

Ea

G.

Eius

Eius

Ieus

Eorum

Earum

Eorum

D.

Ei

Ei

Ei

Eis ou iis

Eis ou iis

Eis ou iis

Ab.

Eo

Ea

Eo

Eis ou iis

Eis ou iis

Eis ou iis

Idem, eadem, idem – o mesmo, a mesma

N.

Idem

Eadem

Idem

Iidem

Eaedem

Eadem

Ac.

Eundem

Eandem

Idem

Eosdem

Eaedem

Eadem

G.

Eiusdem

Eiusdem

Eiusdem

Eorundem

Earudem

Eorumdem

D.

Eidem

Eidem

Eidem

Eisdem ou Iidem

Ab.

Eodem

Eadem

Eodem

Eisdem ou Iisdem

 “Hic” equivale ao demonstrativo luso “este”, ou seja, à ideia de proximidade imediata de quem fala e de quem ouve.

“Iste” equivale ao demonstrativo luso “esse”, ou seja, à ideia de proximidade imediata de quem fala, mas não de quem ouve.

“Ille” equivale ao demonstrativo luso “aquele”, ou seja, à ideia de distância tanto por parte de quem fala quanto da parte que ouve.

O conjunto “Ipse, ipsa, ipsum” equivale aos pronomes pessoais “ele, ela”. São usados para evitar repetições na frase de um nome mencionado anteriormente. É questão de estilo. Assim é de fato um “pro-nome”, ou seja, uma palavra que substitui o nome. Por outro lado, o Ipse é mais enfático que o pronome pessoal “is”, visto nas lições anteriores, e pode ser traduzido por “ele próprio”, ou “ele mesmo”.

Os pronomes demonstrativos também se declinam. Um exercício muito interessante é traduzir cada pronome em cada gênero da tabela acima segundo o caso. Veja o modelo abaixo:

Caso

Latim

Português

Singular

Nominativo

Hic

Este (Sujeito da frase)

Acusativo

Hunc

Este (Objeto Direto)

Genitivo

Huius

Deste

Dativo

Huic

Para este

Ablativo

Hac

Por este, com este

Plural

Nominativo

Hi

Estes (Sujeito da frase)

Acusativo

Hos

Estes (Objeto Direto)

Genitivo

Horum

Destes

Dativo

His

Para estes

Ablativo

His

Por estes, com estes

 Mãos à obra!

Uma curiosidade interessante é que alguns latinistas vêem no “Ille, Illa, Illud” a origem remota do pronome pessoal português “Ele e Ela”.

Em alguns textos, o leitor poderá encontrar a forma “hujus”, mas tanto o latim clássico como o eclesiástico desconhecem a letra “j”, de maneira que em nosso curso, jamais usamos o “j”, que é usado em alguns meios jurídicos nacionais ou estrangeiros.

Uma consolação: não há o caso vocativo nos pronomes demonstrativos…

mar 222012
 

Bodas de Caná, por Veronesse, Museu do Louvre, Paris

Bodas de Caná, por Veronesse, Museu do Louvre, Paris

Curiosidades: Nomes de alimentos e utensílios de mesa em Latim

Como se diz o nome de certos alimentos e utensílios de mesa em latim?

Segundo o Parvum Verborum Novatorum Léxicum, publicado por Cletus Pavanetto, no site do Vaticano, Pizza se diz placenta compressa; um chocolatado, socolāta ou socolatae pótio; um vinho Lambrusco, acre vinum Aemilianum; ou ainda, lasanha, se diz, láganum; macarrão, pasta tubulata; panettone, Mediolanensis placenta. Veja as semelhanças e as diferenças que existe entre o latim e o português.

Em latim

Em português

Cibus, i (m.)

Alimento

Nutrimentum, i (n.)

Cibaria (n.) (sempre plural)

Edulia, ae (f.)

Esca, ae (f.)

Alimentum, i (n.)

Panis, is (m.)

Pão

Caro, carnis (f.)

Carne

Potio, onis (f.)

Bebida

Holus, ou Olus, oleris ( n.)

Legume

Lac, lactis (n.)

Leite

Aqua, ae (f.)

Água

Aqua medicata

Água mineral

Vinum, i (n.)

Vinho

Oleum, i (n.)

Óleo

Sal, salis (m.)

Sal

Mel, mellis (n.)

Mel

Prandium, ii (n.)

Almoço, às vezes, desjejum

Cena, ae (f.)

Jantar

Epulae, arum (f.) (somente plural)

Refeição

Convivium, ii (n.)

Banquete

Triclinium, i (n.)

Sala de Jantar

Mensa prima

Do início à sobremesa

Mensa secunda

A sobremesa

Mappa, ae (f.)

Toalha

Matele ou Matile, is (n.)

Guardanapo

Ientaculum, i (n.)

Almoço

Comissatio, onis

Festim

Merenda ou antecenium

Merenda ou lanche

Antecena ou Caput cenae

Primeiro prato do jantar

Bucea, ae (f.)

Bocado

Bucella, ae (f.)

Bocadinho

Libum, i (n.)

Bolo

Mica, ae (f.)

Migalha do pão

Pulmentum, i (f.)

Sopa

Cyathus, i (m.)

Copo ou Taça

Calix, calicis (m.)

Póculum, i (n.)

Scyphus, i (m.)

Cálathus, i (m.)

Antigo recipiente muito semelhante ao nosso copo

Pocillum, i (n.)

Copinho

Patina, ae (f.)

Prato

Lanx, lancis (f.)

Férculum, i (n.)

Patella, ae (f.)

Pires

Catillus, i (m.)

Catínus(m), i (m. e n.)

Tigela

Scutella,a e (f.)

Gábata

Tympano, i (n.)

Fruteira, compoteira

Phíala, ae (f.)

Garrafa

Salinum, i (n.)

Saleiro

Minister mensis

Servidor da mesa ou servente ou garçon

Escarum ordo, ordinis (m.)

Cardápio

Cuter, tri (m.)

Faca

BOdas de Canaa - MET!

Artigos relacionados

Conversando em latim

Conversando em latim

Curso Básico de Latim

Curso Básico de Latim

mar 152012
 

Curso de latim: tabela dos pronomes pessoais

Curiosidade: o que é um pronome?

Pronome é a palavra que vem em lugar do nome. Concorda com este em gênero e número. Os pronomes pessoais correspondem às pessoas gramaticais e por meio deles devemos orientar o tratamento. Uma tabela dispensa longas e minuciosas explicações. Oferecemos hoje uma tabela com os pronomes pessoais do latim. Veja a semelhança com nossa língua portuguesa!

Primeira pessoa

Segunda pessoa

Singular

Caso

Em latim

Tradução

Em latim

Tradução

N Ego Eu Tu Tu
Ac. Me Me Tu Tu
G. Mei De mim Tui De ti
D. Mihi A mim, me Tibi A ti, te
Ab. Me Por mim Te Por ti

Plural

N. Nos Nós Vos Vós
Ac. Nos Nos Vos Vos
G. Nostrum De nós Vestrum De vós
D. Nobis A nós, nos Vobis A vós, vos
Ab Nobis Por nós Vobis Por vós

Terceira pessoa ou pronome reflexivo

N Não existe porque sempre é complemento
Ac. Se Se
G. Sui De si, dele, dela, deles, delas
D. Sibi A si, se, lhe, lhes
Ab. Se Por si, por ele, por ela, por eles, por elas

Note que o Mihi é pronunciado mirri na pronúncia clássica ou reconstituída, ou miqui na pronúncia eclesiástica.

O caso vocativo não se diferencia do nominativo. Eis a razão pela qual achamos conveniente não inserí-lo na tabela.

Para exercitar, oferecemos a Ave Maria em latim com os pronomes pessoais marcados em negrito:

Maria_Nossa_Senhora_Santa_Fotos_Jose_Ribeiro_da_Silva_Arautos_BrasilAve Maria, gratia plena
Dominus tecum
Benedicta tu in mulieribus
Et benedictus fructus ventris tui Jesus.
Sancta Maria, Mater Dei,
Ora pro nobis peccatoribus
Nunc et in hora mortis nostrae
Amen.