jul 152011
 

Conversar em latim. Apresentar-se e conhecer alguém em latim.

Quando se fala em latim, nosso espírito se reporta ao tempo dos romanos ou das missas antigas celebradas na Igreja Católica a algumas décadas atrás. O latim parece assim estar ligado mais ao passado do que ao presente, de tal maneira que não poderia ser usado na vida cotidiana. No entanto, o latim possui fórmulas de apresentação e perguntas do dia a dia tal como os idiomas contemporâneos. É possível usá-lo para conhecer alguém e inclusive informar-se do número de telefone de nosso recém conhecido…

Praeco in colloquio cum discipulis.

Evangelii Praeco in colloquio cum discipulis suis.

Vejamos abaixo algumas fórmulas para conversação em língua latina neste curto diálogo entre Petrus (Pedro) e Iulius (Júlio):

Petrus Como é o seu nome? Quomodo te vocas?
Iulius Meu nome é Júlio. Mihi nomen est Iulius.
Petrus Quantos anos você tem? Quot annos habes?
Iulius Tenho vinte e cinco anos. Habeo quinque et viginti annos
Trinta e quatro anos de idade. Triginta quattuor annos natus(a).
Petrus De onde você é? Unde es?
Iulius Venho do Brasil, mas sou português. Venio a Brasilia sed lusitanus sum.
Petrus Onde você mora? No Brasil? Ubi habitas?In Brasilia?
Iulius Não moro no Brasil, mas na Argentina. Non in Brasilia sed in Argentina habito.
Petrus Qual é o número do seu telefone? Quale est tuum numerum telephonicum?
Iulius Meu número telefônico é 2345-6789. Numerum telephonicum meum est duo, tres, quattuor, quinque, sex, septem, octo, novem.
Petrus Você trabalha em que? Quid agis ut vitam degas?
Iulius Trabalho em um hospital. Sou médico. Laboro in valetudinário. Sum medicus
Petrus Para onde vais? Quo vadis?
Iulius Vou à universidade de São Paulo.  Estou estudando latim. Estou no quarto ano. Quero aprender latim. Ad Universitatem Urbis Paulistanae me confero. Studeo linguam latinam. Sum in classe quarta. Cupio discere linguam latinam.
Petrus Quando acabam as aulas? Quando finitur schola?
Iulius A escola acaba às dezoito horas. Schola finem habet duodeviginti horas.
Petrus Você se formou em quê? Qua in disciplina speciali modo incumbis?
Iulius Medicina. Medicina.
Petrus Onde fica a biblioteca? Ubinam est bibliotheca?
Iulius A biblioteca está próxima ao páteo da universidade. Bibliotheca prope plateam Universitatis est.
Petrus Onde fica o páteo? Ubi est platea?
Iulius O páteo fica no centro do terreno da universidade onde os alunos se encontram. Platea in centro areae universitatis est, ibi discipuli invicem inveniunt.
Petrus Por que os alunos se encontram aí? Quare in commune vivunt alumni adhic?
Iulius Porque querem comer pizza no refeitório. Quia placentulas in mensa posita volunt manducare.
Petrus Onde é o refeitório? Ubi mensa posita est?
Iulius Próximo ao páteo. Prope plateam.

Outros tópicos sobre conversação latina

Como dizer os nomes dos animais em latim? (Novo!)

Como iniciar uma conversa em latim

Como conversar a mesa em latim

Como dizer as partes do corpo e os cinco sentidos em latim

Os 60 mais famosos ditados em latim

As partes da casa em latim

Curso básico de latim

O Praecones Latine publicou ao longo destes dias vários posts escritos em língua latina. Devido ao pedido de alguns leitores e a grande curiosidade demonstrada por eles serão disponibilizadas lições básicas de latim com explicações em português. A gramática latina será estudada passo a passo em posts periódicos.

O método de estudo será o assimilativo, ou seja, o mesmo usado por todas as crianças de todos os tempos. Os meninos não recebem aulas de gramática, mas sim tomam contato direto com a língua. As explicações da gramática são dadas posteriormente após adquirirem certo vocabulário.

Em nosso curso a gramática latina será dada no decorrer das lições de forma que ao final de alguns posts o leitor possa ter noções básicas da gramática latina de forma esquemática.

Na primeira fase do estudo serão apresentados aos leitores assíduos do Praecones Latine um breve histórico da língua como introdução ao latim; em seguida noções básicas da evolução das línguas a fim de constatar como nosso idioma luso é muito semelhante à língua latina; e por fim a utilidade prática de aprender latim tanto para a formação do raciocínio quanto para a formação cultural do ser humano.

Após esta breve introdução, entraremos nas considerações sobre a pronúncia e a gramática sempre reportando ao já estudado nos posts anteriores ou introduzindo o leitor em outras fórmulas ou textos latinos clássicos tanto de autores pagãos como de autores católicos.

Os redatores do Praecones Latine esperam que os leitores possam beneficiar-se ao máximo do conhecimento da “língua da cultura e da Igreja”. Perguntas e sugestões certamente serão de muita valia.

jun 192011
 

A quantidade das sílabas

Visto nos últimos posts a pronúncia eclesiástica e a clássica reconstituída das vogais e das consoantes latinas, dedicaremos o presente artigo à consideração da quantidade das sílabas latinas. Quantidade significa a duração de pronunciação de uma sílaba. Em princípio, uma sílaba longa dura duas vezes mais que uma sílaba breve.

Por dois motivos uma sílaba pode ser longa:

1. Porque a vogal que ela contém é longa por natureza: vidi, dubitare,

2. Porque a vogal é seguida de duas consoantes: captus.

Note-se que:

1. os ditongos ae, au, oe formam uma sílaba só, que é sempre longa:  moe-ni-a;

2. uma vogal seguida de outra vogal é geralmente breve: moeni-a.

O acento tônico do latim

O latim clássico não possuía acentos tônicos. Na época as vogais que mereciam ser destacadas eram apenas pronunciadas por maior tempo. Isto acontecia também no grego. Interessante lembrar que o latim era quase cantado soando na poesia e inclusive na prosa de forma agradável e compassada. Como esta forma não era comum na antiguidade, os gregos e romanos qualificavam os povos circunvizinhos de “bárbaros”, pois a língua deles soava com um “bê-bê-rê-bê”…

Somente em épocas posteriores passou-se a acentuar o latim com brachias (ă) e macrons (ā), ou ainda com acentos (´) como nas línguas românicas. Esta segunda forma é mais comumente usada nos textos litúrgicos da Igreja Católica.

O acento tônico nada mais é que a importância particular dada, na pronúncia, a uma das sílabas de uma palavra. Suas regras são:

1. Nas palavras de duas sílabas, é sempre a primeira que leva o acento: rósa;

2. Nas palavras de mais de duas sílabas o acento recai:

a) sobre a penúltima, se ela é longa: dubitare; inceptus;

b) sobre a antepenúltima, se a penúltima é breve: dubitat.

3. O latim não possui palavras oxítonas como ca, ma e pico.

4. Quando há uma enclítica (-ne, -que, -ve) se une a uma outra palavra, esta leva o acento sobre a última sílaba: operane, incolaque, audireve. Veremos mais adiante o significado destas partículas.

Corpus Christi, salva me. Sanguis Christi, inebria me. Aqua lateris Christi, lava me.	Amen.

Corpus Christi, salva me. Sanguis Christi, inebria me. Aqua lateris Christi, lava me. Amen.

Como dizer as partes do corpo em latim?

Como em nosso próximo post será dado início à consideração da gramática latina, mais especialmente no caso nominativo, oferecemos ao leitor algumas palavras latinas selecionadas segundo o sentido: partes do corpo humano e os cinco sentidos em latim. Como veremos mais detalhadamente, os dicionários latinos apresentam os substantivos com no caso nominativo e após a vírgula a forma no caso genitivo. Veremos também nos próximos posts o que significam os “casos” latinos.

Partes do corpo e cinco sentidos

Em português (Lusitane) Em latim (latine)
Corpo Corpus,-poris
Membros Membra, orum
Articulação Artus, uum
Osso Os, ossis
Carne Caro, carnis
Sangue Sanguis, guinis
Nervo Nervus,i
Víceras Viscera,um
Coração Cor, cordis
Sentido Sensus, uum
Visão Visus,us
Olhos Óculus,i
Audição Audítus, us
Orelha Auris,is
Nariz Nasus,i
Paladar Gustus,us
Boca Os, oris
Língua Lingua,ae
Tato Tactus,us
Cabeça Caput, pitis
Cabelo Capillus, i
Rosto Vultus,us
Face Fácies,iei
Fronte Frons, frontis
Têmpora Témpora, um
Joelhos Genus,us
Barba Barba,ae
Dente Dens, dentis
Garganta Guttur, uris
Pescoço Collum, i (iugulum,i)
Cervis Cervis,icis
Tronco Truncus,i
Ombro Humerus,i (umerus,i)
Peito Pectus, pectoris
Costas Tergum, i (dorsum,i)
Flanco Latus, lateris
Ventre Venter, ventris
Braço Bracchium, ii
Mão Mannus,us
Direita Dextera,ae (dextra,ae)
Esquerda Sinistra, ar
Dedo Dígitus, i
Perna Crus, cruris
Pés Pes, pedis
Calcanhar Calx, Cálcis
jun 172011
 

No post anterior vimos a pronúncia das vogais. Passamos a considerar as consoantes.

O princípio fundamental da pronúncia latina  resume-se em que todas as letras devem ser proferidas. Na pronúncia eclesiástica, somente certas consoantes possuem o som diverso do português.

A letra “c”
antes de “e”, “i”,
 “ae” e “oe” 
tem 
som de “tch”, 
como no “tchê” gaúcho ou na expressão “tchau”. Esta forma de pronunciar é idêntica ao italiano. Em português “ca, ce, ci, co, cu”, pronuncia-se “ca, se, si, co, cu”. Em italiano e latim eclesiástico, ca, tche, tchi, co, cu. Assim, em “celere” 
pronuncia‐se
 “tchélere”;
 “ciconia” pronuncia‐se “tchiconia”;
 “caelum” pronuncia‐se
 “tchélum”; e “coena” pronuncia‐se “tchena”.

Na pronúncia clássica ou reconstituída, o “c” se pronuncia como o “k”, como en “casa” inclusive antes de “e” e “i”. Assim se pronuncará “ka, ke, ki, ko, ku”, assim ficaria cetera (kétera), cibo (kibo).

Na letra “g” ocorre fenômeno semelhante. O “g” se pronuncia como em gato, ou como em águia. Na forma eclesiástica antes de “i” e “e” pronuncia-se “dg”, como em italiano “gelato”. Assim, ga, ge, gi, go ,gu, em vez de ser pronunciado no Brasil como “ga, je, ji, go, gu”, ficaria “ga, dje, dji, go, gu”. Na pronúncia clássica deve-se dizer “ga, gue, gui, go, gu”. Assim ficaria genus-generis (guénus-guéneris), pagina (paguina), genitrix (guenitrix).

A
 letra 
”t”’
antes 
de “i”
 tem som 
de ‘”ts”,
quando 
a 
sílaba 
não 
é 
tônica. Em “gratia” (graça), pronuncia-se “grátsia”; “locutio” pronuncia-se “locutsio”; “fortiori”, frotsióri”.

Em textos modernos que constam a
letra 
”j” 
tem-se 
sempre
 de pronunciar o som 
de 
”i”. Por exemplo, “jus”, “Jesus” e “jacta”, pronuncia-se “iús”, “iésus” e “iacta”. Aliás, como vimos no post sobre o alfabeto latino, o “j” não existe no latim clássico e não é usado nos textos litúrgicos e oficiais da Igreja Católica.

O
 grupo
 consonantal 
”ch” 
tem 
som 
de 
”k”. Por exemplo, “machina” 
pronuncia‐se
 ”mákina”; 
”charitas” 
pronuncia‐se
 ”káritas”; 
”chorda” 
pronuncia‐se
 ”kórda”.

O 
grupo
 consonantal 
”gn” 
tem 
som 
de 
”nh”, por exemplo, em ”ignis” 
pronuncia‐se
 ”ínhis”;
 ”cognosco” 
pronuncia‐se
” conhósco”;
 ”regnum” 
pronuncia‐se
 ”rénhum”.

O
 grupo 
consonantal 
”ph” 
tem 
som
 de 
”f”, 
igualmente 
ao 
português 
arcaico.

O “qu” se pronuncia “kú”. Por exemplo: “que” se pronuncia “kúe”.

Na pronúncia clássica e eclesiástica o “v” se pronuncia “u”. Por exemplo: veni se pronuncia “uéni”. Mas também se admitem as pronuncias “b” (bilabial fricativa explosiva) e “v” (labiodental, fricativa, sonora); isto dependerá da origem do falante. Um espanhol sempre pronunciará “beni”, um brasileiro ou italiano pronunciará “véni”.

O “ll” se pronuncia como a l geminada do italiano en Rafaella, ou seja, alonga-se a vogal anterior ao duplo “l”. Por exemplo: bellum, belli se pronuncia “bél-lum bél-li”.

O “h” no início das palavras é levemente aspirado (como em inglês e alemão). Em habere (verbo haver) pronuncia-se “rabere”. No latim ecleisástico o “h” não é pronunciado: “abere”.

O “m” e o “n” devem ser pronunciados inclusive no final das palavras, porém de forma “muda”. Aliás todas as consoantes latinas localizadas nos finais da palavras devem ser proferidas sem o acréscimo de vogal final. No Brasil costuma-se inserir uma vogal nas palavras ou siglas terminadas em consoantes, por exemplo, MASP, diz-se “maspi”, mas a pronúncia latina e de outras línguas estrangeiras não admitem este erro típico do brasileiro. Seria como dizer “good night”, “gudi naiti”. O correto é dizer “gud nait”, pronunciando levemente a consoante final.

Na pronúncia clássica o “th” é aspirado como no grego. Os eclesiásticos o pronuncia como simples “t”.

O “x” é pronunciado como “ks”, por exemplo, exire (eksire).

O grupo “sc” é pronunciado na forma eclesiástica como “ch”, por exemplo, descendere, (dechendere).

A pronúncia das demais consoantes são idênticas à brasileira do português.

Cícero um dos mais ilustres autores classicos

Busto de Cícero

jun 152011
 
Visto no último post de nosso curso o alfabeto latino, passaremos hoje a considerar a sua pronúncia.

Quase três vezes milenar, o latim passou por certas transformações em sua pronúncia ao longo da História. No entanto, certas características gerais permaneceram perenes ao longo dos séculos.

Hoje predominam duas escolas de pronúncias do latim: a eclesiástica (romana), usada pelos clérigos católicos nas celebrações litúrgicas ou nos tribunais da Igreja, e a pronúncia reconstituída (pronuntiatio restituta), um intento realizado por alguns filólogos e latinistas com o objetivo de resgatar a pronúncia clássica. A forma reconstituída de pronunciar o latim procura harmonizar num denominador comum os diversos sons das línguas indoeuropeias. A diferença entre as duas pronúncias não é essencial, mas apenas em algumas consoantes.

Liturgia Catholica

Liturgia Catholica

Embora não se possa afirmar que qualquer uma das duas pronúncias sejam de fato a mesma usada na época do Senado ou do Império, todos os latinistas são concordes em afirmar que a defecção ou o relaxamento da pronúncia podem alterar completamente o sentido da frase.

Vogais

As vogais latinas são pronunciadas da mesma forma que em português, mas deve-se ter especial cuidado ao pronunciá-las, pois devem soar com o som próprio inclusive quando não são tônicas.

Os brasileiros não têm o costume de pronunciar as vogais finais das palavras exatamente como são escritas. A palavra “fidelidade”, por exemplo, soa como “fidelidadi”; em “triste”, ouve-se “tristi”. Em 
latim, 
a 
palavra
”Christe” pronuncia-se “kríste” e não ”krísti”. As vogais latinas devem ser pronunciadas todas sem exceção com o seu valor próprio. Na palavra “rupes” (pedras), temos a tendência de pronunciar “rupis”. Forma que altera o sentido da palavra na oração latina: “da pedra”.

Tanto na pronúncia eclesiástica como na reconstituída, as vogais latinas “e” e “o” devem ser pronunciadas como na região sul do Brasil. Os brasileiros do sudeste, norte e nordeste tem o costume de transformá-las em “i” e “u”. Por exemplo, canto (kantu); desitratado (disidratadu); depois (dipois), igualdade (igualdadi).

Os 
grupos
 vocálicos 
”oe” 
e 
”ae” 
são 
pronunciados
 como
 “e”
 aberto.
 Por exemplo, “coelum” pronuncia‐se “célum”. As vogais devem ser pronunciadas como no nordeste brasileiro, ou seja, abertas e com acentuada diferença entre si. O “a” deve soar como “a” e nunca demasiado fechado a maneira do “a” inglês ou de certos lugares do sudeste brasileiro.

No próximo post será apresentada as pronúncias eclesiástica e clássica reconstituída das consoantes latinas.

Maio 212011
 

Quomodo dicitur Pater Noster in latine?

Oratio dominica seu Pater noster est precatio quam Iesu Christus suos didicit. Iesus, Suorum discipulorum respondens petitioni (Domine, doce nos orare: Lc 11,1), orationem christianam fundamentalem eis concredit.  Usus huius precationis non tantum privatus est, sed etiam in antiqua liturgia ritus Ecclesiae Catholicae adhibetur. Verba orationis venit a duobus partibus Evangelii (Lc 11,2-4 et Mt 6,9-13).

Iesus Christus cum Apostolis

Iesus Christus cum apostolis

Pater noster, qui es in caelis,

sanctificetur nomen tuum.

Adveniat regnum tuum.

Fiat voluntas tua,

sicut in caelo, et in terra.

Panem nostrum quotidianum da nobis hodie,

et dimitte nobis debita nostra,

sicut et nos dimittimus debitoribus nostris.

Et ne nos inducas in tentationem,

sed libera nos a malo.

Amen.

Oratione Dominica comentata fuit a Sancto Aurelio Augustino et Tertualliano et Sancto Thoma Aquinate : “Revera in Oratione [Domini] breviarium totius Evangelii” comprehenditur1, ipsa “perfectissima est”2. In centro est Scripturarum. Eadem “Oratio dominica” appellatur, quia nobis venit a Domino Iesu, qui nostrae orationis magister est et exemplar. Oratio dominica precatio est Ecclesiae per excellentiam. Partem constituit integralem magnarum Officii divini Horarum et initiationis christianae sacramentorum: Baptismatis, Confirmationis et Eucharistiae. In Eucharistia inserta, indolem manifestat “eschatologicam” suarum petitionum, in exspectatione Domini, “donec veniat” (1 Cor 11,26).

1 Tertullianus, De oratione, 1, 6: CCL 1, 258 (PL 1, 1255).

2 Sanctus Thomas Aquinas, Summa theologiae, II-II, 83, 9, c: Ed. Leon. 9, 201.

Maio 072011
 

Movidos por la belleza y precisión de la lengua latina, algunos estudiantes y seminaristas del Instituto Teológico Santo Tomás de Aquino (ITTA) de los Heraldos del Evangelio, localizado en San Pablo, realizaron una iniciativa inédita en Brasil: un site escrito en latín.

Durante siglos el latín fue el idioma del mundo. Originaria de un pueblo residente en el Lacio, una provincia Italiana, la lengua de un pueblo subyugado pasó a ser adoptada por los conquistadores romanos. El Imperio Romano, y consecuentemente el latín, se difundió por casi toda Europa, norte de África y parte de Oriente Medio.

MAC-Praecones-Latine-300x169.jpgDespués de la caída del Imperio de los Césares y las provincias romanas ceder lugar a los reinos germánicos, el latín fue mantenido como lengua de la cultura. Los monasterios cultivaban el idioma de Cicerón no solamente en los oficios litúrgicos, sino también en la transmisión de las ciencias humanas. Durante toda la Edad Media y gran parte de la época moderna, el latín fue usado como lengua de los profesores universitarios. Los grandes pensadores escribían tratados de medicina, física, teología y derecho en latín.

Con el advenimiento de la modernidad, especialmente con la consolidación de los movimientos nacionalistas, todos los pueblos occidentales pasaron a adoptar la lengua nacional para el magisterio y administración estatal. Se diría que el latín entraría al final sin gloria de su larga Historia.

Entretanto, el latín resistió en las cátedras universitarias y permaneció como lengua oficial de Hungría hasta el siglo XIX. Hoy, el latín no se restringe a ser solo la lengua oficial del pequeño estado del Vaticano, sino que su alfabeto es usado por más de la mitad de la población mundial. No hay continente que no posea países que usen una lengua románica – especialmente español, portugués y francés – como idioma oficial. El idioma es considerado por muchos autores como la principal fuente lingüística de la cultura occidental.

También Internet es un lugar propicio para la difusión del latín. Finlandeses, alemanes, italianos, norteamericanos, chilenos y polacos buscan aún hoy conservar el latín como lengua viva.

Uniéndose a los esfuerzos de los amantes de la lengua de Cicerón, Horacio y Virgilio, algunos estudiantes residentes en Brasil y miembros del Instituto Teológico Santo Tomás de Aquino (ITTA), buscan difundir en la red mundial artículos, noticias y escritos en la lengua de los Padres Latinos de la Iglesia.